Inclusão no Plano Nacional de Investimentos demonstra a importância da obra

0
11
DR

Após a reunião que efetuou com o Ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, em Lisboa, a secretária regional dos Transportes e Obras Públicas, Ana Cunha, disse aos jornalistas que foi dado “um passo muito importante” com a inclusão da ampliação da pista do Aeroporto da Horta no Plano Nacional de Investimentos 2030.

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura

“É o primeiro dos investimentos para a Região cuja realização futura está acautelada pela inclusão neste Plano, não em termos de prioridade, mas em termos de indicação. É o primeiro. Isso, logo aí, dá nota da importância que se dá a esse investimento”, frisou Ana Cunha.
A secretaria regional adiantou, ainda, que foram solicitados pareceres à Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) e ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) sobre a ampliação da pista do Aeroporto da Horta.
Considera Ana Cunha que o facto de o Governo da República estar a desenvolver passos concretos para a concretização desta intenção, nomeadamente através da realização de estudos, “é uma nota muito importante, é um sinal claro de que este investimento está nos objetivos do Governo da Republica e, obviamente, nos objetivos do Governo da Região”.
Em discussão nessa reunião esteve também o cumprimento de uma resolução da Assembleia Legislativa em que se recomenda ao Governo dos Açores que solicite ao Governo da República que promova diligências para a operacionalização do regresso da TAP às ligações Lisboa – Horta e Lisboa – Pico.
“Sensibilizámos o senhor Ministro para esta recomendação e para o seu conteúdo”, disse Ana Cunha, adiantando que Pedro Nuno Santos respondeu que, “dentro daquilo que são as competências do Governo da República, enquanto acionista, diligenciaria, ou sensibilizaria, a TAP, no sentido de operacionalizar o cumprimento desta resolução da ALRAA”.
A secretária regional salientou que, sendo estas rotas de Obrigações de Serviço Público, “não é uma situação que se consiga obrigar a TAP a fazer, nem muito menos será a curto prazo”, acrescentando que “o nosso papel aqui foi o de sensibilizar o senhor Ministro para que, junto da TAP, dentro das suas relações institucionais, e que são de acionista e de tutela, promova, pelo menos, a consideração desse regresso, ou a consideração da assunção dessas rotas”.
Ana Cunha considerou que “seria importante” a vinda de mais companhias e a promoção de mais ligações aéreas, a qualquer uma das ilhas.
“É sempre com bom grado que vemos essas ligações a aumentar. Se se concretizar, pois claro que ficamos bastante satisfeitos, porque beneficia não só a ilha do Faial e a ilha do Pico, mas beneficia toda a Região”, disse.
A titular da pasta dos Transportes referiu que, em cumprimento daquilo que foi determinado pela Assembleia Legislativa, cumpre ao Governo Regional “sensibilizar quem pode sensibilizar, e quem tem que sensibilizar, para promover esse regresso, não só junto do Governo da República, também junto da companhia aérea”.

PSD/Faial exige que
Vasco Cordeiro cumpra promessa de atrair mais companhias aéreas
Os deputados do PSD/Açores, eleitos pelo Faial, exigem ao Presidente do Governo Regional que cumpra a promessa, feita em 2017, de alteração das obrigações de serviço público nas ligações aéreas com o continente, de forma a atrair mais companhias aéreas para a ilha.
“Em janeiro de 2017, Vasco Cordeiro anunciou que o Governo Regional ia propor a alteração das obrigações de serviço público, com o objetivo de tornar mais atrativas as rotas que estão sujeitas a serviço público (Faial, Pico e Santa Maria). Já se passaram mais de dois anos e meio da data em que o Presidente do Governo proferiu estas declarações e nada se sabe”, referem os deputados na sua missiva.
Salientam Luís Garcia e Carlos Ferreira, em requerimento entregue na Assembleia Legislativa dos Açores, que “pelo quinto verão consecutivo, a SATA Internacional/Azores Airlines demonstra não ter capacidade para prestar ao Faial um serviço adequado às suas necessidades e expetativas”.
“Desde o verão de 2015 que o serviço da SATA Internacional/Azores Airlines ao Faial se vem caraterizando por uma crónica falta de voos e de lugares que compromete a mobilidade de quem aqui vive e de quem quer visitar esta ilha, bem como, a exportação dos nossos produtos”, adiantam.
De acordo os social-democratas faialenses, “repetem-se, entre outros constrangimentos, cancelamentos, atrasos, voos sem bagagem e passageiros de voos cancelados que se queixam do mau acompanhamento que lhes é feito, sobretudo, em Lisboa”.
“Está, no nosso entendimento, mais do que provada e comprovada a incapacidade da Azores Airlines para, nestas condições, servir convenientemente a ilha da Faial. Assim não é possível desenvolver sustentadamente este destino turístico, que, pelo contrário, está a ser diariamente destruído com este mau serviço em termos de acessibilidades aéreas”, frisam os deputados.
Luís Garcia e Carlos Ferreira consideram “urgente alterar este cenário que não interessa a ninguém, incluindo à imagem e sustentabilidade da própria SATA Internacional/Azores Airlines”.
No requerimento, os deputados do PSD/Açores eleitos pelo Faial solicitam ao Governo Regional “cópia documental comprovativa” das diligências feitas pelo executivo neste assunto e da proposta de revisão das obrigações de serviço público nas ligações aéreas entre o arquipélago e o continente.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO