Junta de Freguesia de Castelo Branco continua a apostar na geminação com a sua congénere da Beira Baixa

0
9

Em 2012 a Junta de Freguesia de Castelo Branco celebrou, um acordo de Geminação com a Freguesia de Castelo Branco da Beira Baixa. Desde então várias atividades de intercâmbio nas vertentes culturais, educativas e económicas, têm sido realizadas entre as duas autarquias.

O Projeto “GE(R)MINAR”, é uma das iniciativas promovidas no âmbito deste protocolo que envolve os alunos do 4.º ano das escolas das duas freguesias e que tem por objetivo promover a defesa do ambiente, através da valorização do património natural dos territórios das duas freguesias.

 
 
No ano letivo 2013/14, a EB1/JI de Castelo Branco, participou no Projeto “GE(R)MINAR”, que decorreu no âmbito do protocolo de geminação celebrado entre a Junta de Freguesia de Castelo Branco no Faial e a sua congénere da Beira Baixa.
Este ano as freguesias decidiram dar continuidade ao projeto que envolve 40 alunos do 4.º ano de escolaridade, dos estabelecimentos de ensino de ambas as freguesias, 10 do Faial e 30 da Beira Baixa.
O Projeto “GE(R)MINAR” tem como objetivo promover a defesa do meio ambiente através da valorização do património natural, bem como a partilha e a troca de conhecimentos e experiências entre os alunos das escolas envolvidas.
A apresentação do projeto, para este ano letivo 2016/2017, teve lugar na sede da Junta de Freguesia de Castelo Branco, na manhã da passada quinta feira, dia 24 de novembro, através de um “intercâmbio virtual” com Castelo Branco da Beira Baixa.
Nesta iniciativa foi também dado a conhecer a parte prática do projeto que vai começar a ser desenvolvido pelas crianças da Beira e dos Açores, no 2.º período e cuja apresentação final decorre nas duas freguesias, em maio de 2017, num intercâmbio físico, que junta os alunos em duas ocasiões distintas: a primeira na Horta, no decorrer da deslocação dos alunos da Beira Baixa ao Faial e a segunda durante a viagem que os alunos faialenses irão fazer a Castelo Branco no continente, que inclui a recriação de uma procissão em honra do Divino Espírito Santo.
Para Vítor Pimentel, presidente da Junta de Freguesia de Castelo Branco da Horta, este “é um projeto importante a manter”. Segundo o autarca, “desde o primeiro ano em que se protocolou o acordo de germinação entre as freguesias começamos logo a trabalhar em vários eventos e iniciativas que se têm concretizado ao longo destes anos”. 
Nestes quatro anos, de acordo, com o Presidente da Junta já se desenvolveram várias ações de âmbito cultural, ambiental, educacional e até económica, “para que numa perspetiva de futuro ele possa ser sustentável por ele próprio”, disse. Neste sentido, avançou, “promovemos com os empresários da freguesia de Castelo Branco uma ida à feira Bienal do Azeite em Castelo Branco da Beira Baixa. Uma de feira de grande dimensão a nível nacional em que proporcionamos a oportunidade de ir ao continente expor os seus produtos, também já numa intenção de trazer a vertente económica ao projeto”, avançou.
O autarca explicou que já há dois anos quando se iniciou o projeto de Ge(r)minar a ideia era que houvesse um intercâmbio entre as escolas, para que os alunos pudessem apresentar os trabalhos realizados nas duas localidades. “Nessa altura já tínhamos como intenção terminar com um encontro físico entre as duas realidades, mas na altura não foi possível devido essencialmente aos exames que os alunos tinham de realizar”. Este ano, revela o autarca, “resolvemos antecipar um pouco a ida para o início do terceiro período e depois também a situação dos exames já não se coloca”. 
“Estou contente porque todos os pais daqui autorizaram a deslocação dos seus filhos. Alguns manifestaram interesse em ir, sendo que vão suportar os encargos às suas custas. Isso dá-nos um certo alento, penso que vamos ter um bom desfecho deste projeto”, afirmou.
Vítor Pimentel ressalvou também o relacionamento e a abertura que tem havido com as entidades envolvidas tanto de cá como de lá. “Quer a Câmara Municipal da Horta, quer o conselho executivo da EBI/Horta, quando o projeto foi apresentado foram logo recetivos mostrando-se disponíveis para colaborar naquilo que lhes compete”, reforçando ainda que “na Beira Baixa a receção tem sido igual, de abertura total e de empenho para que isto seja concretizado”, disse.
Consciente das dificuldades que um projeto desta natureza abrange para as juntas de freguesias, “cujos recursos são limitados”, “vamos ter de bater às portas das Câmaras, que vão ter de ajudar”, sublinha.
Presente nesta ação esteve Filipe Meneses, em representação da Câmara Municipal da Horta. Para o vereador este é um projeto que além de promover o convívio entre alunos de escolas tão distantes recorre às novas tecnologias. “Este é de facto um projeto pioneiro na ilha do Faial, um projeto muito interessante, que para além do convívio, alia as novas tecnologias como hoje aqui aconteceu”. 
No entender do vereador, “ver crianças de terras tão distantes e realidades diferentes juntas, apoiadas pelas próprias freguesias e pelos municípios é de facto um trabalho notável de registo”, referiu.
Filipe Meneses, garantiu que a autarquia “está disponível quer para apoiar logisticamente quer financeiramente esta deslocação que tem alguns custos para a própria freguesia que conta com recursos limitados assim como acompanhar a iniciativa, se assim houver interesse, por parte das juntas de freguesia”.
De registar que integrado na programação de consolidação da geminação entre as duas freguesias com o mesmo nome, o Grupo Etnográfico de Castelo Branco, e o Grupo Coral de Santa Catarina da ilha do Faial, já participaram também em eventos promovidos pela autarquia da Beira Baixa.
 
 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO