Minha PANkada – Vamos jogar fora, reciclar ou reduzir?

0
10
TI

Vamos reciclar os resíduos em cada agregado familiar, escola, empresa, organismos públicos e em nossas festas? Ou será melhor jogar tudo no mesmo contentor do lixo? A reciclagem exige que os consumidores separem seus Resíduos em diferentes categorias, algo que já obrigatório por Lei em alguns países. Não deveria ser preciso ter uma Lei ou ter um sistema de penalizações para os consumidores sejam obrigados a fazer algo que deve ser um ato de cidadania e de responsabilidade. A consciência ecológica e ambiental está cada vez mais presente na nossa Sociedade, e nos Açores, isso é uma mais-valia. Isto têm de ser uma Luta de todos, sem cores partidárias e politiquices. É uma preocupação para quem nos visita.

O volume do Resíduos tem aumentado enormemente, e o aumento demográfico, não ajuda nesta questão. Os publicitários tem muitos produtos para nos vender, e o mundo da propaganda quer nos fazer crer que precisamos de todos eles. Quase sempre somos incentivados a comprar algo novo, em vez de consertar o velho. Às vezes, substituir coisas velhas é mais prático e barato do que consertá-las. Mas, muitas vezes, o jogar fora a coisa velha e substituí-la por uma nova é dispendioso e desnecessário. Pode ser o prazer de comprar, o querer andar na moda ou um ato de vaidade. Muitos produtos são projetados para serem descartados. A vida útil de certos produtos continua a diminuir. Será que isto realmente beneficia os consumidores? Os beneficiados são os comerciantes.
Quando os Navios de Cruzeiro descarregam os seus Resíduos no porto da Horta, eles tem muito a nos ensinar. Nós deveríamos ver como eles levam muito a sério a separação seletiva. Temos de apostar na Educação ambiental em todas as faixas etárias. Temos de consciencializar todos os faialenses para esse problema. Isto já foi sublinhado em reunião na Assembleia Municipal da Horta. Por exemplo, é muito triste ver lixo nas ribeiras e praias, nas bermas dos caminhos e tirados do fundo do porto da Horta. Não quero ver um cagarro com um saco na cabeça, um goraz a comer microplásticos ou uma tartaruga que morreu asfixiada com plástico.
É um facto que a Câmara Municipal e a Direção Regional do Ambiente têm apelado que os Resíduos sejam divididos em categorias, como papel e papelão, plásticos, metal e vidro. Seria muito bom que os Resíduos orgânicos fossem separados dos demais, visto que podem gerar composto orgânico mediante a compostagem / vermicompostagem. Este último processo é muito mais vantajoso. A produção e comercialização local de compostos orgânicos poderia ser uma mais-valia para a economia da ilha. A captação de biogás do Aterro é outra possibilidade.
Outros Resíduos têm uma separação diferente segundo a sua natureza e têm um sistema especial de recolha. Temos de reconhecer que a reciclagem e a reutilização tem imensas vantagens para a ilha – ambiental, qualidade de vida e económica. Fazer isso ajuda bastante o trabalho que é feito na Unidade de Tratamento Mecânico e Biológico (UTMB) na Central de Processamento de Resíduos.
Creio que os processos de reciclagem podem não resolver sozinhos todos os problemas dos Resíduos. Não vejo mal a incineração e co-processamento de Resíduos não recicláveis, e que podem ser aproveitados como combustível para geração de energia. Mas, a decisão de uma central de incineração obriga que o projeto seja devidamente dimensionado, bem orçamentado e que seja rentável. Deve obedecer a um Estudo de Impacto Ambiental sério, deve cumprir as normas rigorosas ambientais, deve ter uma monitorização e fiscalização dos processos. Mas isso será tema de um futuro artigo.
Só mais uma pequena nota. Resíduos indiferenciados são Resíduos recicláveis que não foram devidamente separados por categorias e depositados nos Ecopontos. Apenas a reutilização e a separação seletiva dos Resíduos podem reduzir ao máximo a quantidade dos Resíduos indiferenciados. Dessa forma, não haveria mais a necessidade de depositar estes Resíduos em Aterro. Sabia que em 2016, o Faial produziu em média 461 toneladas por mês de Resíduos indiferenciados? Isto equivale a 15,4 toneladas por dia. Destes, cerca de 50% foram reciclados com o esforço e dedicação dos trabalhadores. E os Resíduos diferenciados e os que são recuperados na UTMB são encaminhados em contentores marítimos para as indústrias recicladoras. O trabalho feito da UTMB sob direção dos Engenheiros ambientais é muito importante, mas cada um de nós tem de fazer a sua parte em ajudar-los. O Faial agradece. 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO