MiratecArts arranca uma década de arte dedicada ao oceano

0
23
DR
Hoje, 8 de junho, é o Dia do Oceano, e o festival internacional de artes dos Açores para o mundo, Azores Fringe, dedica a sua programação a esta temática, apresentando novos desafios à comunidade artística e destacando o trabalho do galardoado cineasta e fotógrafo, da vida marinha, Nuno Sá.
Devido às circunstâncias em que nos encontramos, toda a programação pode ser acompanhada online através da página do facebook do #azoresfringefestival e da associação organizadora, MiratecArts. 
 
As Nações Unidas estão a dedicar 2021 a 2030 ao Oceano e, assim, a associação cultural, com sede na ilha do Pico, também se junta à temática promovendo vários programas incentivando projetos à comunidade artística.
“Desafiamos os artistas açorianos a pensarem no oceano e a construírem projetos para trabalharem com a MiratecArts durante esta década” anuncia Terry Costa, o diretor artístico da MiratecArts. “Tudo começa com uma ideia e é aí que pretendemos começar com os artistas interessados. Depois, juntos construímos um orçamento e trabalhamos para sua execução.” Idéias de projetos são aceites através do email info@mirateca.com e os artistas devem estar inscritos na plataforma www.discoverazores.eu que já é a casa de 678 talentos multifacetados das 9 ilhas dos Açores. 
 
Um concurso de fotografia já foi anunciado: Montanhas Submarinas e Montanhas no Oceano, onde os seus finalistas serão apresentados em janeiro 2021, na sétima edição do Montanha Pico Festival, e o Prémio Escrita MiratecArts 2021 também tem um tema que enquadra para a década: Whalewatching, Baleação, Baleeiros, Baleias.
Durante a Década do Oceano, através de diálogo, da criação e da promoção de eventos culturais artísticos, a MiratecArts tem o objetivo, com seus programas e ações, de destacar a importância do oceano, educando a população para reverter o ciclo de declínio na saúde do oceano e criar melhores condições para o desenvolvimento sustentável dos oceanos, mares e costas, beneficiando, assim, a humanidade.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO