Novos órgãos municipais da Horta já tomaram posse

0
17
TI

TI

Na sequência dos resultados das eleições autárquicas teve lugar na passada semana a tomada de posse do Executivo da Câmara Municipal e dos membros da Assembleia Municipal da Horta (AMH) eleitos para o mandato 2017- 2021.

Na Câmara tomou posse o reeleito José Leonardo Silva e na AM assumiu as funções de presidente Teresa Ribeiro eleita pela Coligação PSD/CDS-PP “Acreditar no Faial”

Decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho, na tarde da passada sexta-feira, a cerimónia solene de instalação dos novos membros da Câmara Municipal e Assembleia Municipal da Horta para o quadriénio 2017-2021.
A sessão ficou marcada pelo discurso do agora reeleito presidente da autarquia, José Leonardo Silva, que garantiu que pretende honrar os compromissos assumidos neste mandato.
“Neste mandato autárquico que agora se inicia continuarei a defender aquilo em que sempre acreditei e que deve estar na base de um projeto autárquico, trabalho, ambição, dedicação, lealdade e compromisso”, afirmou o autarca salientando que, neste sentido conta comos faialenses, com a vereação da Câmara agora eleita e com todos os deputados, para em conjunto construir o projeto “que os faialenses maioritariamente consideraram ser o melhor” para o futuro do concelho.
Para o presidente os faialenses revelaram “estar bem cientes dos desafios” e souberam “reconhecer a importância de um compromisso sério, leal, que honra a palavra dada, que respeita a participação de todos e que se compromete com objetivos concretos”, salientou.
José Leonardo Silva, no sentido de corresponder “à vontade expressa” da população faialense, revelou que pretende apresentar, “no mais curto espaço de tempo, um plano e orçamento para o ano de 2018, que resultam dos eixos estruturantes e das propostas apresentadas no manifesto eleitoral”.
“São projetos que, acreditamos, farão a diferença, mas que devem ser agora trabalhados no sentido de garantir que os nossos compromissos são para ser novamente cumpridos”, vincou José Leonardo Silva.
Para além disso o presidente do Executivo Camarário garantiu, igualmente, que neste mandato pretende melhorar “os procedimentos” de forma a torná-los mais “céleres” de forma a aproximá-los das pessoas.
José Leonardo Silva, apontou como desafios para este mandato a execução da Frente Mar, a alteração do paradigma do Mercado Municipal, a gestão dos equipamentos municipais e a evolução do crescimento económico e do turismo da ilha. “Tudo faremos para defender o que eu sempre disse: em primeiro lugar o Faial, em segundo lugar o Faial e ainda por último o Faial”.
A vereação da CMH ficou constituída por José Leonardo Silva, Luís Botelho, Ester Pereira, e Filipe Menezes (PS) e por Carlos Ferreira, Estevão Gomes e Sandra Goulart da Coligação PSD/CDS-PP “Acreditar no Faial”.

Teresa Ribeiro eleita presidente da AM

No final da cerimónia de tomada de posse dos órgãos autárquicos, decorreu a reunião de instalação da AM da Horta.

Para a eleição da Mesa foi apresentada uma lista única composta por Teresa Ribeiro, da coligação PSD/CDS-PP, para presidente, José Costa do PS e Luís Rodrigues, do PSD para secretários e que foi eleita com 28 votos a favor e quatro abstenções.

Nesta que foi a primeira AMH, tomaram posse os primeiros 11 elementos da lista do PS, os primeiros dez elementos da lista da Coligação e os primeiros três elementos da lista do CDS-PP e ainda um elemento da CDU e um do PAN. A estes juntaram-se os 13 presidentes das juntas de freguesia da ilha, cinco do PS e oito da coligação.
Em declarações aos jornalistas, Teresa Ribeiro garantiu que pretende manter uma “postura de colaboração em prol dos faialenses, sem descurar a diversidade que é obvia, tendo em conta as ideologias político partidárias”
Por outro lado, a presidente agora eleita, prometeu que irá cumprir uma das funções da AM que é fiscalizar a ação da Câmara Municipal. “Temos que pensar nos faialenses e no trabalho que nos compete, pretendemos fomentar a fiscalização do trabalho do executivo camarário”.
Também da Coligação PSD/CDS-PP “Acreditar no Faial”, Rui Martins esclareceu que “há um ato que decorre das eleições em que após o acto eleitoral, as coligações são desfeitas”. No entanto, segundo o deputado, “a posição do CDS-PP vai ser a de continuar a ser um grupo municipal do partido eleito pela coligação”.
Neste sentido, Martins garantiu que a ideia é manter o projeto apresentado nas eleições com a coligação. “O projeto apresentado aos faialenses foi conjunto com o PSD e tudo faremos para que possamos verter naquilo que é o projeto do presidente eleito, aquelas que são as nossas ideias, que julgo que são em alguma medida uma abordagem melhor aos projetos que o Faial necessita.
O deputado salientou ainda que “muitos dos projetos são similares” e por isso julga que serão “muito fáceis de trabalhar com o atual executivo”.
Relativamente à posição do Executivo Camarário na AM, José Leonardo Silva, mostrou-se aberto ao dialogo, mas reforça que o objetivo será sempre a defesa do manifesto eleitoral.
“A Câmara Municipal vai seguir à linha os compromissos que os faialenses validaram no dia 1 de outubro, fazendo como anteriormente, tendo abertura, negociando, quer com a AM, quer com as Juntas de freguesia”.
O autarca tem consciência que vai ser um mandato de “grandes desafios” e acredita poder contar com todos os faialenses, com todos os deputados municipais e com toda a vereação para trabalhar em prol do desenvolvimento do Faial.
Na ocasião, Herder Silva do PS, cumprimentou todos os eleitos, desejando a todos um bom trabalho em prol do desenvolvimento do Faial.
O deputado salientou ainda que podem contar com o PS no cumprimento do voto de confiança que receberam dos faialenses.
Também Hugo Rombeiro do PAN – Pessoas, Animais, Natureza, que pela primeira vez se apresentou com lista à Câmara Municipal da Horta e à AM, conseguindo eleger um deputado, referiu que nos próximos quatro anos, “eu ou outro membro da candidatura do PAN, tentaremos fazer de tudo para a defesa e progressão da nossa ilha. Vamos votar tendo pelo princípio os ideais que representamos, e decidindo sempre pelo bem de uma ilha sustentável”.
Segundo o deputado municipal os partidos podem contar com o voto do PAN desde que, “sejam assertivos e que debatam com humildade, a revindicação do desenvolvimento sustentável desta ilha”.
Por sua vez, José Decq Mota também saudou os presentes afirmando-se convicto de que a AM está assim “entregue a pessoas, não só de capacidade, mas de sentido democrático, e com vontade de contribuírem, eles próprios através do seu trabalho, para a valorização deste órgão municipal essencial”.
Decq Mota assegurou ainda que “a CDU representada na AM desde 1979, continuará neste mandato, com a postura que sempre tem tido, de dar o melhor do seu esforço, para uma boa discussão e sempre que possível para uma boa solução, dos problemas deste concelho e desta ilha”.
Nesta que foi a primeira AM deste mandato, José Souto Gonçalves da Coligação “Acreditar no Faial”, lembrou que se as suas contas não falham, que neste mandato “vão assumir funções 170 autarcas em entidade regular, 32 dos quais hoje, 34 certamente na próxima sessão”.
Assim e dando as boas vindas, em nome da bancada do PSD a todos, desejou a todos um bom trabalho nas funções que agora assumem.
Souto Gonçalves deixou bem claro que a bancada do PSD tem “os olhos, naturalmente colocados sobre a Câmara Municipal” e destacou o facto de pela primeira vez contar com a presença de cinco partidos, considerando que este facto dá a este órgão “uma composição, uma relação de forças diferente”, lembrando neste contexto que é dever de todos “promover e gerir consensos a bem de um objectivo que é defender o Faial e fazer com que o Faial ande para a frente”, sustentou. 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO