O investimento na escola pública é o caminho para combater a pobreza e as desigualdades sociais

0
14

“Só com uma escola pública com cada vez mais valências se contraria a pobreza e as desigualdades sociais”, disse hoje Paulo Mendes, num debate de urgência sobre Educação em que o deputado do Bloco de Esquerda criticou a política de desinvestimento na escola pública do Governo Regional.

Paulo Mendes critica a opção do PS que apoia projetos de ensino do sector privado quando deixa a escola pública com professores precários, falta de assistentes operacionais e falta de técnicos.

Num debate sobre o desempenho escolar dos alunos dos Açores, no seguimento dos resultados dos testes PISA, o deputado do BE lamenta que continue a haver “uma associação entre as condições socioeconómicas dos alunos e os resultados obtidos”, e considera que “o sucesso escolar não pode depender de condições somente oferecidas fora da escola, como é o caso das explicações cujo acesso depende das possibilidades económicas das famílias”.

Paulo Mendes lembra que “9 em cada 10 alunos que reprovam em exames são oriundos de famílias pobres” e salienta a importância de haver um reforço no investimento na escola pública, que foi criada para “quebrar com reprodução social da pobreza e das desigualdades”.

O deputado do BE referiu ainda que a desvalorização da escola pelos jovens que a abandonam precocemente está relacionada com o facto de “o mercado laboral ser pouco exigente em termos de qualificações académicas e profissionais, e por isso, perversamente compatível com jovens e menos jovens com percursos escolares precocemente interrompidos”.

“O combate ao desemprego e à precariedade está associado à valorização dada pelos jovens e respetivos progenitores à educação, pelo que as opções políticas em matéria de emprego, criação e distribuição de riqueza também contam para alavancar o sucesso educativo”, disse também o deputado do BE, que criticou o PS por insistir em fomentar a precariedade através de apoios públicos às empresas para contratar a prazo.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO