“O papel da imprensa como espaço de divulgação de informação e de debate de ideias com critérios e rigor mantém-se atual”

0
39
blank

Natural da ilha do Faial, Tiago Simões da Silva, depois de realizar os seus estudos básicos nesta ilha, licenciou-se em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2014, e no ano seguinte obteve uma Pós-Graduação em História Moderna e dos Descobrimentos. Desde 2015 é investigador do CHAM – Centro de Humanidades (Universidade Nova de Lisboa/ Universidade dos Açores) e desde 2017 do CLEPUL – Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias (Universidade de Lisboa). Foi membro da direção da Casa dos Açores em Lisboa (2013-2019).

Tem participado em eventos relacionados com Turismo e Património, entre os quais foi membro da equipa vencedora da Tourism Ideation Week (Lisboa, 2016), como consultor histórico num projeto de turismo cultural, e obteve o 2º lugar no Concurso de Ideias de Negócio para o Turismo Cultural, no âmbito da V Jornada de Reflexão de Animação Turística / Turismo Cultural nos Açores (2018).
É presença assídua na nossa ilha em conferências e iniciativas variadas. Em 2017 criou o projeto Horta Histórica, com o objetivo de sensibilizar o público para as questões de História e Património, tendo desde então desenvolvido iniciativas de divulgação e formação, em parceria com diversas entidades locais.

Na passada semana, o Núcleo Cultural da Horta editou o seu livro “A imprensa faialense no século XIX – um catálogo”. O Tribuna das Ilhas conversou com o autor sobre esta obra e sobre os seus projetos.

Tribuna das Ilhas (TI) – Como nasceu o livro lançado agora pelo NCH e de que é o autor?
Tiago Simões Silva (TSS) – Este livro é o resultado de um projeto do Núcleo Cultural da Horta para o qual fui convidado em 2018, que tinha como objetivo fazer uma recolha dos jornais faialenses do século XIX. Estabeleceram-se como metas identificar todos os títulos publicados e inventariar todos os exemplares que fosse possível encontrar. O objetivo é que se saiba exatamente que exemplares existem na Biblioteca Pública e Arquivo Regional João José da Graça e onde podemos encontrar os restantes, que estão espalhados por várias bibliotecas da região e do país. Tendo esta informação será possível coordenar entre as várias instituições os processos de digitalização, atualmente já em curso.

TI – Como apresentaria o livro a quem não o conhece?
TSS – Este livro pretende apresentar ao público a realidade da imprensa faialense de Oitocentos, dando a conhecer a quantidade e variedade de jornais e outros periódicos que se publicaram e servindo de guia às instituições e investigadores com interesse no tema. Além dos periódicos, contém o inventário dos livros editados na Horta até 1950 e referências a outras atividades da imprensa local, desde a edição de publicidade e cartões de visita até à utilidade das tipografias enquanto espaços de discussão e de difusão de cultura (não apenas escrita).

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura