O reforço do Serviço Regional de Saúde é a garantia ao direito à saúde de todos os açorianos

0
21
blank

Uma delegação do PCP Açores reuniu com a Administração da USIP (Unidade de Saúde da Ilha do Pico) para aprofundar o conhecimento da realidade daquela unidade, os problemas existentes e as expectativas para o futuro, bem como para apresentar o conjunto de propostas que o PCP tem para a área da saúde, e em especial aquelas que vão ao encontro das necessidades e preocupações da população daquela ilha.

O primeiro objetivo foi, portanto, ouvir a administração da USIP sobre o trabalho que está a ser feito e o conjunto de investimentos programados no âmbito da manutenção e requalificação dos três centros de Saúde da ilha (Madalena, São Roque do Pico e Lajes do Pico), como também acerca do investimento em equipamentos e meios humanos.

Por parte do PCP foram dadas a conhecer umas propostas que, ao serem aceites, contribuiriam para melhorar a quantidade e a qualidade dos cuidados de saúde prestados nos Açores, numa altura em que o Serviço Regional de Saúde enfrenta, para além de outros, o mesmo problema estrutural de todo o país, isto é, aquela falta de profissionais médicos que deixa diversas áreas e especialidades sem cobertura adequada. Os sistemas de incentivos à fixação de profissionais na Região são meros paliativos que não conseguem solucionar uma questão que se relaciona com o acesso à formação médica. O SRS continua a não responder aos mais sentidos e graves problemas de saúde com que a população se depara, como a longa lista de espera para cirurgias e a falta de médicos de família.

A construção de um Serviço Regional de Saúde, público, sustentável, com qualidade, que dê segurança e contribua para a melhoria dos níveis de saúde, exige uma profunda reformulação das políticas seguidas até aqui. É ainda fundamental que se envolvam todos os agentes e utentes, e a comunidade inteira, no processo de construção da saúde coletiva. O PCP defende, para o Serviço Regional de Saúde, um conjunto coerente de medidas, de entre as quais, nesta ocasião, foram sublinhadas as seguintes:

– Remoção das barreiras no acesso à saúde com a eliminação de todas as taxas moderadoras, garantindo que o financiamento futuro, assegurado em quadro plurianual, cubra integralmente as despesas previstas e os investimentos planificados. – Mobilização e modernização da capacidade de diagnóstico e terapêutica instalada, com manutenção regular dos equipamentos.

– Construção de um novo centro de saúde nas Lajes do Pico e obras de manutenção dos outros dois centros de saúde.

Mas, para além destas e outras propostas, o PCP insiste na necessidade de se valorizarem
devidamente os trabalhadores – médicos, enfermeiros, auxiliares, assistentes operacionais e assistentes técnicos do SRS – não só pelas suas capacidades e competências, mas também pelo seu profundo conhecimento das populações e dos seus problemas e necessidades de saúde, e pelo papel ativo que desempenham na prevenção e promoção da saúde na nossa Região. Para bem do Serviço Regional de Saúde e de todos os seus utentes, é essencial que estes trabalhadores recebam o tratamento que merecem, desde logo do ponto de vista salarial e das condições laborais, mas também em termos de formação e incentivo.
O PCP Açores defende o SRS e o direito à saúde na Região