PAN/Açores defende aumento do financiamento em Orçamento de Estado para a Universidade dos Açores

0
22
DR

Açores, 27 de Novembro de 2019 – O PAN/Açores defende um reforço significativo da dotação em Orçamento de Estado para a Universidade dos Açores, para suprir as necessidades prementes dos trabalhadores e para poder garantir a qualidade do ensino universitário na região açoriana.

A deputada do PAN, Bebiana Cunha, em sede de Comissão de Educação, Ciência, Juventude e Desporto, na audiência ao Reitor da Universidade dos Açores, João Luís Gaspar, afirmou que o PAN “entende que se devem encetar todos os esforços para dar respostas às necessidades apresentadas, de forma equitativa e tendo em conta as limitações arquipelágicas e que haja um reforço para suprir as necessidades prementes dos trabalhadores e da instituição e para dar respostas à vontade dos estudantes fazerem a sua formação de Ensino Superior nos Açores”.

Esse aumento, seja em dotação de Orçamento de Estado ou por complementação de um fundo de coesão para a insularidade e a ultraperiferia, além de equilibrar as contas e garantir o bom funcionamento da instituição, daria para atenuar as assimetrias existentes entre a Universidade dos Açores e as Universidades do continente.

 “Além de não aceitarmos que exista critérios diferentes entre as universidades do continente e a dos Açores, por parte do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, não podemos esquecer que nos Açores a estrutura tripolar dividida pelos centros de São Miguel, Faial e Terceira, aumenta exponencialmente os custos administrativos e operacionais que um único Pólo Universitário não precisa de suportar”, afirma Pedro Neves, Porta-Voz do PAN/Açores.

O partido teme que estas limitações orçamentais possam, em último caso, limitar o direito dos alunos no acesso ao ensino superior, dependente da região onde se encontram. O PAN pretende assim defender o aumento do orçamento para a Universidade dos Açores, para que sejam criadas as condições necessárias para um dar resposta às necessidades dos jovens e para uma maior justiça remuneratória aos trabalhadores da instituição.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO