Pescaria de atum dos Açores é a primeira pescaria “Neutra em Plástico” do mundo

0
151
blank
Catarina Gonçalves©POPA_IMAR

OMA – Observatório do Mar dos Açores

Na primeira de três competições anuais de recolha de lixo marinho, a frota de pesca de atum com arte de salto-e-vara dos Açores removeu com sucesso mais itens de plástico do oceano, em peso, do que a que perde acidentalmente numa safra anual de pesca, tornando-se assim a primeira pescaria “Neutra em Plástico” do mundo.

A Neutralidade em Plástico significa que é removido de determinado ambiente a mesma quantidade de plástico que é adicionado a esse mesmo ambiente, neste caso o ambiente marinho. Alcançar a Neutralidade em Plástico tornou-se um objetivo fundamental entre Organizações do mundo inteiro, particularmente aquelas cuja atividade está intimamente ligada aos plásticos marinhos, como linhas e redes de pesca. Visando o estatuto de Neutralidade em Plástico para a pescaria de atum dos Açores, a International Pole and Line Foundation (IPNLF), em associação com o Observatório do Mar dos Açores (OMA), o Programa de Observação para as Pescas dos Açores (POPA), gerido pelo Instituto do Mar (IMAR), a Associação de Produtores de Atum e Similares dos Açores (APASA) e a Federação das Pescas dos Açores (FPA) desenvolveram e aplicaram um modelo de competição de recolha de lixo marinho para a frota atuneira.

O POPA tem vindo a recolher dados sobre as taxas de perda de artes de pesca pela frota atuneira desde 2019. Estes dados evidenciam que a totalidade da frota de pesca de atum com arte de salto-e-vara produz um total anual estimado de apenas 1 kg de lixo marinho resultante da atividade da pesca. Com base nestes dados, a IPNLF antecipou que a competição resultaria em pelo menos 100 kg de lixo marinho recolhido e que a pescaria alcançaria no primeiro ano o estatuto de Neutralidade em Plástico.

A competição decorreu entre agosto e outubro de 2021, com algumas condicionantes resultantes da Pandemia por COVID-19, que a transformaram numa edição piloto, mas com enorme sucesso, com 7 embarcações de pesca a participarem na mesma. Estas embarcações foram desafiadas a recolher o lixo marinho avistado durante a operação de pesca, com um foco especial em aparelhos de pesca abandonados.  O peso e a tipologia de lixo marinho recolhido foram registados pelos observadores do POPA a bordo das embarcações, sendo recolhidas evidências fotográficas de todos os itens. O objetivo foi a remoção de uma maior quantidade de lixo marinho do que aquela que é perdida anualmente pela totalidade da frota.

Na competição de 2021 as 7 embarcações participantes removeram cerca de 450 kg de lixo marinho de plástico, dos quais cerca de 440 kg corresponderam a artes de pesca abandonadas, entre as quais boias, cabos de nylon e redes de pesca. Isto significa que, em apenas três meses, estas embarcações recolheram uma quantidade em peso de artes de pesca abandonadas 440 vezes superior à quantidade perdida anualmente nas suas operações de pesca. Estes barcos superaram todas as expectativas com estes valores e ultrapassaram de forma categórica o seu objetivo de alcançar a Neutralidade em Plástico.

Muitas lições foram tiradas desta primeira edição piloto da competição, tendo sido identificadas as melhorias necessárias a implementar em edições futuras. No entanto, o enorme sucesso alcançado assegurou desde já a realização desta Competição por mais 2 anos, em resultado do generoso apoio da BiocoopFrance e Fish4Ever, marca pioneira em questões de sustentabilidade.