Planos de ação dos Polos Locais de Desenvolvimento e Coesão Social serão conhecidos em breve

0
17
blank
DR

Os Planos de Ação concebidos para os territórios que integram a da Rede de Polos Locais de Desenvolvimento e Coesão Social, desenvolvida no âmbito da Estratégia Regional de Combate à Pobreza e Exclusão Social estão em fase de conclusão, estimando-se a sua publicação no próximo mês.

O conselho estratégico que esteve hoje reunido, em Angra do Heroísmo, e que contou com a presença dos Secretários Regionais da Solidariedade Social, da Educação e Cultura e da Saúde, analisou as propostas de plano apresentadas pelos coordenadores de cada um dos Polos Locais de Desenvolvimento e Coesão Social, que visam dar resposta às necessidades próprias de cada uma das comunidades.

Pretende-se que estes planos constituam um meio de intervenção privilegiado no território, de modo a permitirem identificar os fatores mais importantes na reprodução da pobreza e atuar sobre os mesmos, envolvendo, na medida do possível, a própria comunidade nas soluções adequadas.

Esta abordagem visa facilitar a identificação das causas do fenómeno da pobreza, construindo respostas integradas e adaptadas a cada realidade, nomeadamente ao nível da promoção do sucesso escolar e da melhoria das condições de empregabilidade dos jovens e adultos, potenciando os recursos existentes e fomentando a participação de todos na construção de soluções conjuntas.

Nesse sentido, os planos de ação para essas localidades preveem a definição de objetivos, metas e indicadores, não só quantitativos, mas igualmente qualitativos definidos e partilhados pelas várias áreas da governação e com parceiros da sociedade civil no sentido de garantir uma abordagem integrada aos diversos desafios que se colocam em cada um dos territórios.

A Rede de Polos Locais de Desenvolvimento e Coesão Social é uma medida prevista no Plano de Ação 2018-2019 da Estratégia Regional de Combate à Pobreza e Exclusão Social, criada com o intuito de olhar para os territórios a partir do seu interior, identificando as fragilidades e as potencialidades, e capacitando as comunidades para a construção de soluções participadas.

Recorde-se que, com base no diagnóstico que antecedeu a implementação da Estratégia Regional de Combate à Pobreza e Exclusão Social, onde se concluiu que o fenómeno da pobreza não se distribui de forma homogénea na Região, foram implementados cinco Polos Locais de Desenvolvimento e Coesão Social.

As freguesias da Terra-Chã, na ilha Terceira, Água de Pau, Arrifes, Fenais da Ajuda e Rabo de Peixe, na ilha de São Miguel, são os territórios onde se identificaram maiores fragilidades, nomeadamente, perante os indicadores da Educação, da Saúde e da Solidariedade Social.

Os polos constituem uma nova solução organizacional assente numa abordagem territorial e com enfoque no desenvolvimento local. Esta estrutura tem como foco as parcerias locais que desempenharão um papel ativo na construção dos instrumentos de planeamento.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO