Presidente da Assembleia desafia jovens açorianos a empenharem-se numa agricultura cada vez mais sustentável

0
72
blank
DR

O Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA), Luís
Garcia, desafiou os jovens açorianos a um maior envolvimento e empenhamento na
transformação da agricultura da região numa atividade cada vez mais sustentável e ecológica. O desafio foi lançado no final da tarde de hoje, no discurso de abertura da Conferência “45 Anos de Autonomia: O Desafio da Agricultura Sustentável”, que teve lugar no Centro Cultural da ilha Graciosa.

Numa região, cuja principal atividade económica é a agricultura, o Presidente da Assembleia apelou aos parceiros sociais, políticos, culturais e económicos, para em conjunto, encontrarem soluções adequadas à modernização desta atividade, tornando-a inovadora e geradora de “produtos sustentáveis, suscetíveis de serem valorizados”.

O Presidente do Parlamento açoriano considerou que “a sustentabilidade deve ser a marca do desenvolvimento dos Açores em todos os domínios”, a começar pela prática de uma agricultura amiga não só do ambiente, “mas que também respeite e valorize os seus profissionais”.

O Presidente Luís Garcia sublinhou a importância da captação das camadas mais jovens e
qualificadas para as fileiras da agricultura, como agentes da mudança da dependência externa e no combate ao despovoamento e à desertificação de alguns territórios da Região.

Para tal, o Presidente da Assembleia defende uma maior aposta num sistema educativo que
valorize e dignifique “o gosto pela terra e pela agricultura”, desafiando as escolas a
desenvolveram iniciativas pedagógicas que sensibilizem as crianças e desmistifiquem “as ideias retrógradas que ainda persistem sobre a agricultura”, destacando também a importante missão da Universidade dos Açores no que respeita à investigação nesta área.

Numa atualidade marcada pelas incertezas e consequências da guerra, o Presidente da
Assembleia reafirmou a necessidade de uma maior independência energética e soberania
alimentar, bem como de uma redefinição das prioridades na atribuição dos fundos comunitários, com vista à atenuação do impacto deste conflito na agricultura açoriana.

A conferência de hoje contou com dois oradores convidados principais, nomeadamente, o
Professor Doutor José Matos, da Universidade dos Açores, que apresentou uma comunicação sobre “Os desafios da sustentabilidade da agricultura dos Açores em tempos de grande incerteza”, e o produtor biológico Avelino Ormonde, proprietário da empresa Biofontinhas, que centrou a sua comunicação no tema “Açores, no caminho da agroecologia”.