PS/Açores considera urgente dar continuidade e atualizar trabalho feito pelo anterior Governo no contexto das toxicodependências

0
16
blank

“O tema das toxicodependências é absolutamente prioritário e, infelizmente, não consta na agenda do atual Governo dos Açores”, considerou Célia Pereira. A deputada do PS Açores falava, esta segunda-feira, à margem de uma reunião do grupo parlamentar socialista com a Casa do Povo dos Fenais da Ajuda, em São Miguel, um dos territórios de intervenção prioritária, no âmbito da Estratégia de Combate à Pobreza e Exclusão Social.

Célia Pereira afirmou que o Grupo Parlamentar do PS Açores tem vindo a receber informações e queixas de que existe uma lista de espera para tratamento de cidadãos toxicodependentes em comunidades terapêuticas.

“Ou seja”, explicou a deputada, “os doentes que, por iniciativa própria, se queiram tratar e tenham critérios para ser referenciados para comunidades terapêuticas, não estão a ser encaminhados por falta de financiamento, ficando numa lista de espera de incerta disponibilidade financeira”.

“Ora, isto é inaceitável”, sublinhou.

E, por isso, Célia Pereira defende ser “urgente” desenvolver medidas para combater “este flagelo que afeta todos indiscriminadamente, que ataca os mais fracos e vulneráveis aumentando o risco de pobreza e exclusão social”.

O anterior Governo do PS estava a fazer um trabalho neste âmbito que foi interrompido e não foi continuado, lamentou a deputada, sublinhando que agora importa atualizar essa estratégia já que o problema dos consumos se agravou no período pandémico, nomeadamente, os consumos das NSP (novas substâncias psicoativas), o que “considerando a nossa dimensão geográfica e populacional, é extremamente grave e preocupante”.

A parlamentar referiu ainda, no contexto da visita aos Fenais da Ajuda, uma das freguesias rurais mais afetadas pelo consumo de drogas ilícitas, que o problema dos consumos não é apenas um problema dos centros urbanos, mas que ataca sobretudo os meios rurais.

“É preciso também ter em conta que a toxicodependência é uma doença crónica e, como tal, em vez de estigmatizar, precisamos atuar segundo o modelo humanista prevenindo, tratando, reduzindo os riscos e minimizando os danos, dissuadindo e reinserindo”, realçou.

A deputada da bancada socialista lembrou ainda que não é apenas o toxicodependente que está em risco, mas também a sua família e a comunidade onde se insere.

Esta ação está inserida no âmbito do Dia Internacional Contra o Abuso e o Tráfico Ilícito de Drogas que é celebrado anualmente a 26 de junho e procura fortalecer a ação e a cooperação para alcançar um mundo livre do abuso de drogas.

“Este é um tema que está sempre na agenda do Grupo Parlamentar do PS Açores, temos feito diversas ações sobre este tema, inclusive auscultando o próprio Governo dos Açores, através de requerimentos, e a breve trecho apresentaremos uma iniciativa parlamentar sobre este tema”, informou.