Viola da Terra deixou Saudades na “III Mostra Internacional de Violas de Arame do Brasil”

0
14
DR
DR

A “III Mostra de Violas de Arame do Brasil” decorreu de 25 a 27 de Março numa edição
especial, Minas – Portugal, em formato online, e onde a Viola da Terra participou pela primeira vez.
Durante 3 dias foras horas e horas de programação onde a Viola de Arame de Portugal e do
Brasil foi apresentado por alguns dos seus mais renomeados executantes e representantes.
Rafael Carvalho apresentou a Viola da Terra ao público do Brasil, escolhendo um repertório
ligado à tradição popular, trazendo o “Pezinho Velho” e o toque da “Desgarrada”, passando
pela “Saudade” e a sua grande relação à Viola, à Emigração, e aos Corações da Viola: o que parte e o que fica. No seu Concerto, do passado dia 26 de Março, Rafael Carvalho finalizou com a “Chamarrita Zaragateira”, Tradicional de Santa Maria, num arranjo seu onde combina o ponteado com o polegar com o rasgado.
Apesar de já ter quase duas dezenas de temas originais gravados o músico Açoriano optou por apresentar um repertório mais ligado à tradição e às técnicas tradicionais do instrumento, para mostrar a realidade, riqueza e contexto da Viola nos Açores.
A Mostra encerrou neste sábado, dia 27 de Março, com as Palestras, onde os músicos falaram das afinações de cada Viola, dos toques mais característicos, do contexto e repertório existente. Mais uma vez, dos Açores, Rafael Carvalho falou da Viola de 12 e 15 cordas dos Açores, das técnicas do Polegar, Indicador e Rasgado existentes nas diferentes Ilhas, e da vitalidade actual da Viola e até o seu ensino nos Conservatórios da Região.
Das diversas palestras compreendeu-se que há um grande trabalho actual de revitalização da nossa Viola de Arame, em Portugal e no Brasil, quer no ensino e construção, mas também na criação de novo repertório e na conquista de novos públicos. Acima de tudo insistiu-se que é importante manter essa comunicação entre as Violas e seus intervenientes, pois só assim, em conjunto, a luta pela valorização das violas poderá ser mais forte.
O evento, produzido pela Viola Brasil Produções, contou com Chico Lobo, Fernando Sodré,
Rodrigo Delage, e Wilson Dias, com a “Viola Caipira” do Brasil. De Portugal os músicos Pedro Mestre com a Viola Campaniça, Roberto Moniz com a Viola de Arame Madeirense e Rafael Carvalho com a Viola da Terra dos Açores.
Se a pandemia permitir pretende-se dar continuidade ao Encontro de Violas de Arame, no final do ano, no Alentejo, mas, antes disso, a Associação de Juventude Viola da Terra pretende concretizar um evento online, com várias Violas de Arame, antes do final do Verão.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO