Publicada classificação da igreja do Carmo

0
35
blank

Quase dois anos após aprovação de um projeto de recomendação aprovado na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA) foi publicada a Resolução do Conselho de Governo, dia 17 de novembro, que classifica como bem imóvel de interesse público a igreja de Nossa Senhora do Carmo, comumente tida por igreja do Carmo.

A resolução plasmada em Jornal Oficial salienta a “notável a preponderância da igreja no perfil da cidade da Horta, devido à sua dimensão e posição destacada e altaneira”. Acrescem-se ainda pormenores arquitetónicos relevantes que justificam a sua proteção, como por exemplo “as torres, que estão demarcadas da parte central por pilastras” e são “encimadas por cúpulas bolbosas de base octogonal”. Além da capela-mor coberta por uma abóbada de berço e de outros elementos de relevo, destaca-se “braço do transepto do lado da epístola, joanino, enquadrado por um revestimento de azulejos figurativos igualmente joaninos.”.

Este foi o primeiro templo carmelita erguido fora do território continental português.
Construído a partir de 1651, o convento segue as correntes portuguesas do Estilo Chão, Barroco e Rococó, este último apenas no seu interior.

A classificação da igreja do Carmo como monumento de interesse público foi alvo de um projeto de recomendação do PSD/Açores, votado por unanimidade na ALRAA em fevereiro de 2020.

Na altura Luís Garcia, deputado social-democrata, declarou “provavelmente o imóvel não se teria degradado ao ponto a que chegou, nem se teriam permitido construções de duvidoso enquadramento na sua envolvente e do antigo Convento com o mesmo nome” se a classificação tivesse acontecido anteriormente. Por seu turno Tiago Branco, da bancada do PS/Açores, entendia que este passo seria “mais um importante contributo, quer para a imortalização da sua história quer para potenciar ainda mais a sua restauração e requalificação de toda a envolvente” até porque “permitirá à Igreja do Carmo ser apoiada financeiramente pela Direção Regional da Cultura”.

Meses mais tarde, a 14 de agosto de 2020, Avelino Meneses assinava o aviso a notificar “todos os interessados para, no âmbito de audiência escrita, dizerem o que se lhes oferecer sobre a proposta de classificação de interesse público do imóvel designado como Igreja de Nossa Senhora do Carmo”. Este edital esteve afixado na Câmara Municipal da Horta por 30 dias.