Reforço de segurança na estrada de acesso à Ribeira Quente com projeto apresentado e concurso lançado

0
19

A Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas salientou que o anúncio do concurso público para execução da empreitada da segunda fase de melhoria das condições de segurança na Estrada Regional da Ribeira Quente foi hoje publicado, precisamente no dia em que o respetivo projeto foi apresentado nesta freguesia do concelho da Povoação.

 

Ana Cunha adiantou que o Governo dos Açores não quis “ficar pelo mero ato de apresentação do projeto”, indo assim “mais além”, dando “mais um passo para a efetiva concretização deste compromisso e necessidade”.

 

A titular da pasta das Obras Públicas adiantou que o troço de estrada a intervencionar ficará reforçado nas condições de segurança da circulação rodoviária, complementando assim a primeira fase de intervenção, já terminada, que representou um investimento de 1,5 milhões de euros.

 

“Estamos perante um projeto de empreitada com grau de exigência técnica elevado”, que passa pela construção de um semi-túnel de proteção da faixa de rodagem, protegendo de eventuais deslizamentos, com uma extensão de mais de 200 metros, num investimento de cinco milhões de euros, frisou Ana Cunha.

 

A Secretária Regional destacou ainda o facto de esta intervenção ser executada apenas com recursos financeiros do Executivo, representando “um sinal claro das prioridades assumidas na distribuição de recursos”, no âmbito da melhoria de segurança dos Açorianos e de quem visita o arquipélago.

 

Ana Cunha adiantou que, nesta legislatura, o concelho da Povoação já recebeu investimentos de três milhões de euros na rede viária, como são exemplos a primeira fase da consolidação dos taludes na Estrada da Ribeira Quente ou a obra de requalificação da entrada nascente da vila, tendo já sido lançado o concurso para a construção da Variante às Furnas.

 

“Se juntarmos esse investimento a esta segunda fase agora apresentada e já também a concurso, estamos a falar de investimentos concluídos ou com os concursos já lançados de 15 milhões de euros na rede viária deste concelho até ao final desta legislatura”, afirmou.

 

A Secretária Regional lembrou que, de 2013 até 2020, o investimento do Governo dos Açores na rede viária em todo o arquipélago atingiu os 80 milhões de euros, apesar do atual Quadro Comunitário de Apoio, negociado pelo Governo da República, em 2013, ter deixado de fora os investimentos em estradas.

 

“Mesmo assim, o Governo dos Açores conseguiu, entre 2014 e 2020, negociar 16 milhões de euros de fundos comunitários ao abrigo da Ultraperiferia, que permitiram realizar diversas intervenções neste domínio por todas as ilhas da Região”, afirmou Ana Cunha, assinalando ainda o facto de, neste momento, a taxa de execução financeira desta ação ser superior a 96% do plano da Secretaria Regional dos Transportes e Obras Públicas.

 

Ana Cunha frisou que os investimentos em São Miguel não se têm limitado às estradas, salientado que, de momento, já foram concluídas ou estão a decorrer obras públicas no valor de 217 milhões, só nesta ilha.

 

A estes montantes, há que adicionar os investimentos em carteira, superiores a 68 milhões de euros, a par com os cerca de 25 milhões de euros para recuperação dos estragos causados pelo furacão Lorenzo no Porto de Ponta Delgada.

 

Ana Cunha considerou que estes investimentos “permitem garantir ao setor da construção civil a previsibilidade necessária para que possa desempenhar a sua atividade com tranquilidade nos próximos anos”, recordando as repercussões sociais e económicas que estas empreitadas têm na vida dos Açorianos.

 

Neste âmbito, a Secretária Regional destacou a relevância do Governo dos Açores em contribuir para a sustentabilidade de um sector de atividade que “é um dos grandes geradores de riqueza e de criação de emprego em toda a Região e que terá, estou certa, um papel reforçado no processo de retoma da atividade económica que está a decorrer”.

 

“O Governo dos Açores continua o seu trabalho, seguro de que assim continuamos a desenvolver as nossas freguesias, vilas, cidades e ilhas. Da nossa parte, o empenho será sempre o mesmo, como no primeiro dia”, afirmou Ana Cunha.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO