023 – Outlet, made in Faial!

0
19

 Realizou-se na Horta, a primeira Feira Outlet, com os comerciantes locais.
Foi uma oportunidade para os empresários, dos mais diversos ramos, exporem e escoarem os stocks de colecções anteriores.
Foi também uma oportunidade para os Faialenses (e não só…) de adquirirem esses mesmos produtos, a preços mais baixos, diria mesmo, a preços muito reduzidos.
Apesar do tempo frio que nos assolou no fim de semana passado, com chuva e até neve…, a procura foi sempre contínua, registando-se uma grande afluência no Domingo à tarde, certamente consequência de um tempo mais convidativo.
Importa reflectir sobre alguns aspectos relacionados com a realização desta Feira.
CCIH
Esta Feira surge na sequência da mobilização dos empresários locais, que entenderam ser oportuno e estar ao seu alcance a participação neste evento, motivo pelo qual solicitaram a sua realização a quem de direito, á sua Agremiação Associativa – a Câmara do Comércio e Indústria da Horta.
DIVERSIFICAÇÃO
A nossa dimensão força a que os empresários desenvolvam vários sectores de actividade em simultâneo, única forma de sobreviverem às oscilações de mercado, ou seja, quando um sector está mais fraco, outro terá de compensar essa quebra…
Assim, não é por acaso que, no Faial, os empresários (comerciais, industriais, agrícolas, etc.) diversificam a sua actividade… É uma imperiosa necessidade, que esteve bem patente nesta Feira.
Esta diversidade veio enriquecer a oferta ao público, quer nos sectores mais esperados do vestuário e do calçado, mas também da lingerie à beleza, do mobiliário aos têxteis lar, dos vinhos à ourivesaria, da construção civil à jardinagem, etc.
E mais actividades teriam sido bem vindas, já que o público estava ávido de eventos, acarinhou o que é nosso, e, mais importante ainda, comprou e reconheceu a “nossa” qualidade”.
PREÇO / QUALIDADE
Os empresários empenharam-se em apresentar espaços atractivos, com bons produtos, e a preços convidativos.
De um modo geral, o preço de venda foi abaixo do preço de custo, permitido nestes eventos, cujo objectivo é o escoamento de stocks, libertando áreas de armazenagem, fazendo recircular o dinheiro investido, permitindo a aquisição de novas colecções.
Quando assim é, todos ficam satisfeitos, o público que adquire aquilo que há algum tempo gostava de ter adquirido mas agora a um preço irresistível, e o empresário que assim oxigena e reforça a sua capacidade em renovar a sua actividade económica.
UNIÃO
A participação numa Feira, desta ou de outra natureza, nem sempre corre bem…, mas resulta sempre num processo de auto-aprendizagem, de camaradagem e de união da classe. Todos se falam, trocam experiências e até se sugerem melhores técnicas de comunicação e marketing.
Reforça-se uma classe empresarial que, longe de concorrer entre si, se une para se defender de concorrências exteriores, nem sempre leais, e que nada de bom trazem para a ilha, antes pelo contrario, levam da ilha a nossa parca força económica.
CONCORRÊNCIA
Esta não foi uma Feira contra ninguém, mas foi certamente uma forma de desvalorizar a concorrência vinda do exterior.
Por outro lado, com um espaço melhor apresentado, com melhor produto, animado e decorado, em stands pagos pelos comerciantes, e com entradas gratuitas para o público, cedo se provou que “Santos de Casa fazem milagres”, quando existe empenhamento, vontade e coragem.
MULTI-USOS
Ao longo de todo este processo, desde o abaixo assinado à inauguração, várias vezes veio ao de cima a dificuldade de não dispormos de um Multi-Usos que resolva este e outros eventos, com melhores instalações físicas.
E não é só a falta de um Multi-Usos que se sente… É a simples falta de um espaço onde se possa montar uma tenda!
Embora não comprometendo o sucesso da iniciativa, todos nós (comerciantes e público) sentimos algumas dificuldades nos acessos, na fraca sinalização / divulgação, nos gabinetes de provas (sem cortinas, espelhos, cabides ou bancos), na ausência de instalações sanitária, e na falta de conforto térmico, ora suportando este Inverno rigoroso, ora suportando o calor duma Semana do Mar, fazendo com que as condições de trabalho oscilem entre a meia dúzia e as três dezenas de graus centígrados, a que acresce o pó e a terra na Festa do Mundo Rural.
Quando se pede aos empresários iniciativa, formação e agressividade, não se esqueçam os responsáveis da CCIH, da CMH e do Governo Regional de proporcionar melhores condições de trabalho, e mais atractividade na exposição dos produtos.
MAIS FEIRAS!…
Esta primeira “Feira Outlet” made in Faial não é comparável à que nos visitou há alguns meses atrás, tendo-a superado em todos os aspectos atrás referidos, designadamente, na imagem e na relação preço / qualidade dos produtos apresentados.
Com resultados melhores ou piores, a generalidade dos empresários que participaram, agradecem a preferência do público, e manifestam desde já o interesse em repetir este evento no futuro próximo, no fim dos saldos da próximo colecção Primavera-Verão 2010.
O sucesso alcançado, e a preferência do público, obrigam a que, desde já, se prepare uma maior e melhor 2ª Feira Outlet do Faial.
Obrigado a todos!

Contributos, para
[email protected]

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!