A conversar é que a gente se entende?

0
26
TI

A pedido do presidente da Câmara Municipal da Horta, tive a oportunidade de debater e apresentar ideias sobre o plano e orçamento da Câmara para o ano de 2018.
Levámos o nosso programa eleitoral, com as 55 medidas e oferecemos a José Leonardo mostrando a total abertura na discussão de ponto-a-ponto durante todo este mandato com o objectivo de implementar as medidas ali apresentadas.
Das 55 medidas, nesta reunião, focámo-nos nas seguintes:
Um sistema de queixas online, um sistema onde os habitantes deste concelho possam identificar o que está menos bem e o que deve ser melhorado;
Uma praça central na cidade da Horta localizada no largo Duque D´Ávila e Bolama;
Um sistema de minibus que passe periodicamente e não com horários fixos;
Promover o alargamento de serviços de saúde no âmbito das terapias não convencionais;
Criar uma agenda do Banco de Artistas com o intuito de ser utilizado ao fim-de-semana com variadíssimos eventos na área artística;
Abrir, gratuitamente, durante sete dias por ano, os parques de campismo municipais às famílias faialenses e seus animais de companhia;
Combater a “centralização” escolar, ou seja, o fecho das escolas nas freguesias e criar condições para que sejam distribuídas refeições adequadas, em todas as escolas, para todas as crianças do ensino básico;
Criar um Centro Recolha Oficial de Animais (CROA);
A criação de um Centro de Atendimento Veterinário para animais abandonados ou com dono em situação de especial vulnerabilidade socioeconómica;
Campanhas de esterilização pelas freguesias;
Cumprir a meta nacional do fim do abate de cães e gatos, nos canis municipais, em 2018;
Nos animais errantes principalmente nos equídeos fomentar à identificação electrónica e vigiar os baldios da Caldeira que não sejam despejados mais animais naquela área;
Estimular a horticultura e fruticultura biológica pelas pequenas experiências;
Criação de hortas urbanas que se tornem espaços de lazer, convívio e aprendizagem com um forte potencial de incremento da qualidade de vida dos seus utilizadores;
Aderir à iniciativa “Autarquias sem Glifosato/Herbicidas”, desenvolvida pela Quercus e Plataforma Transgénicos Fora (PTF);
O controlo de plantas infestantes adotando os meios técnicos de combate manuais, térmicos, mecânicos, biológicos ou culturais e/ou produtos com o menor risco para a saúde humana e animal e o ambiente;
Uma recolha de resíduos transparente, através de uma plataforma online, seja transparente e partilhe periodicamente todos os seus registos para que a população tenha conhecimento da quantidade de resíduos que estamos a reciclar.
Algumas destas medidas, José Leonardo, garantiu que consegue introduzir no próximo plano e orçamento, outras, que vai estudar e refletir para que sejam incluídas em próximos planos e orçamentos.
Uma das questões que nos deixa apreensivos é as refeições nas escolas básicas do nosso concelho. Conversámos abertamente sobre até que ponto é responsabilidade da autarquia e qual a responsabilidade do governo regional.
Deixámos claro, que mesmo com a obra que já está arrancada na melhoria das cozinhas das escolas, falta-nos saber como vão ser processadas essas refeições e por quem, e questionámos se o Governo Regional está determinado avançar com a sua parte.
José Leonardo respondeu-nos, que o que lhe foi transmitido, é que o Governo Regional diz que fará a sua parte, disponibilizando refeições completas e quentes a todas as crianças.
Na minha perspectiva, foi uma boa reunião cabe-me avaliar se tudo ali conversado será feito! Portanto como deputado municipal estarei por cá a fazer o meu trabalho.
Primeiro apresentamos as propostas que na sua totalidade foram muito bem recebidas e agora farei o papel de fiscal para observar quais vão ser implementadas.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO