“A Life In Ruins”

0
39
José Luís Neto

Quando era pequenino, lembro-me de jogar à bola com o meu irmão. Jogávamos em espaços apropriados, remediados e adaptados, pois que a urgência de pontapear a esfera e correr com um propósito, se impunha a todas as demais prioridades. E habitam verdades profundas nas urgências inadiáveis das crianças. Um dos espaços mais inusitados para o fazer era o das ruínas da Igreja do Carmo, em Lisboa; enquanto minha mãe tinha intermináveis reuniões, fundamentais para o futuro do património cultural luso que, não poucas vezes, se arrastavam pela noite dentro.

Nesses momentos, as altaneiras naves da igreja assemelhavam-se a bancadas cheias de gentes antepassadas, os holofotes gigantes alumiavam o monumento e, no centro, o relvado, onde eu e meu irmão nos confrontávamos, espiados pelas pombas adormecidas e pelos gatos que as caçavam, assemelhava-se a um desses estádios-catedrais. Guardo, com imenso carinho, essas inusitadas recordações, que nos marcaram tanto, ao ponto de ambos termos seguido para a área das ciências do património cultural.

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura