Acordo de cooperação entre Unidade de Saúde da Ilha Terceira e Casa de Saúde de São Rafael traduz aposta na intervenção domiciliária e integração com os cuidados primários

0
23
blank
DR

A Secretaria Regional da Saúde, através da Direção Regional da Saúde, assinalou hoje o Dia Mundial da Saúde Mental com a assinatura de um acordo de cooperação entre a Unidade de Saúde da Ilha Terceira e a Casa de Saúde de São Rafael – Instituto de São João de Deus, que prevê a efetivação de respostas de intervenção domiciliária.

A iniciativa visa uma abordagem à saúde mental de cariz comunitário, tendo o Diretor Regional da Saúde salientado que se trata de “permitir à pessoa com doença mental estável atingir o seu potencial de funcionamento no seu contexto sociofamiliar, independente, na comunidade”.

O acordo agora assinado insere-se na estratégia preconizada no Plano Regional de Saúde, e alinhada com as diretrizes da Organização Mundial da Saúde, de integração da saúde mental nas Unidades de Saúde de Ilha, numa lógica de união de esforços e de otimização de recursos.

Trata-se de um modelo de funcionamento que, segundo Tiago Lopes, “permite a criação de sinergias nesta área, visando melhorar a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida dos Açorianos”.

Com a assinatura deste acordo, que decorreu no Solar dos Remédios, em Angra do Heroísmo, encerrou a primeira etapa do processo de implementação da Rede Regional de Cuidados Continuados Integrados de Saúde Mental.

O Coordenador do Grupo de Trabalho da Direção Regional da Saúde para a implantação desta Rede, Eduardo Azevedo, referiu que este período preparatório foi dedicado à avaliação das estruturas assistenciais de saúde mental e à preparação da Plataforma de Gestão Clínica de Saúde Mental.

Concluiu-se também a programação estratégica para a saúde mental, denominada ‘Espaço para a Saúde Mental’, que foi apresentada publicamente em abril.

O trabalho desenvolvido incidiu ainda na adaptação à Região do manual de orientação para profissionais de saúde para promoção da saúde mental na gravidez e primeira infância e no apoio ao desenvolvimento de projetos comunitários de promoção da saúde mental.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO