Acordo UE-MERCOSUL nos Açores. Ventura reforça necessidade de avaliação “urgente” de impacto

0
15
DR

O deputado do PSD/Açores na Assembleia da República, António Ventura, propôs hoje a avaliação “urgente” do impacto na agricultura da Região do Acordo de comércio livre entre a União Europeia (UE) e os países do MERCOSUL.

“Para o PSD, é urgente conhecer os efeitos deste Acordo quer a nível a nacional, mas sobretudo nos Açores, onde a economia está suportada na agropecuária”, afirmou o social-democrata, após uma visita à Unicol – União das Cooperativas de Lacticínios Terceirense.

O parlamentar açoriano lembrou que o PSD “tem vindo a alertar o Governo da República e o Governo Regional que é imprescindível saber dos impactos económicos, sociais e ambientais deste acordo em Portugal, mas, sobretudo, da introdução de carne de bovino no espaço nacional e, especificamente, nos Açores”.

“Importa recordar que o MERCOSUL (que integra Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) é um dos grandes exportadores de produtos agrícolas, mas não dispõe na produção das mesmas exigências legislativas ao nível ambiental, da utilização de hormonas, nas normas de bem-estar animal, do uso do solo e dos fitofármacos”, frisou.

António Ventura sublinhou que é urgente avaliar o impacto do Acordo UE-MERCOSUL na Região, tendo em conta que, nos Açores, “a bovinicultura de carne assume um fundamental complemento de rendimento para muitas famílias e é crucial para a produção de leite, porque uma crise na produção de carne afeta, significativamente, o leite”.

O deputado social-democrata açoriano recordou que as principais associações ligadas ao setor da bovinicultura de carne, a nível nacional e europeu, “já se insurgiram contra o Acordo”.

“Os governos dos Açores e da República não podem continuar em silêncio e fazer de conta que não se passa nada. Têm de governar”, disse.

O Acordo UE-MERCOSUL segue agora para ratificação dos parlamentos nacionais e os deputados do PSD/Açores na Assembleia da República “ponderam votar contra, caso não sejam previamente conhecidos os impactos económicos, sociais e ambientais na Região”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO