Açores estão no centro de acordos de cooperação científica e tecnológica com a Universidade de Massachusetts Lowell

0
13

O Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia disse hoje que a criação do programa ‘UMass Lowell – Portugal Joint Initiative’ poderá ser “o princípio de uma relação importante entre o Sistema Científico e Tecnológico dos Açores e a Universidade de Massachusetts Lowell, principalmente em áreas científicas que são mais prioritárias e comuns”, nomeadamente a sustentabilidade dos oceanos, o espaço e as alterações climáticas.

Gui Menezes falava aos jornalistas, em Angra do Heroísmo, à margem da sessão de abertura do workshop ‘2019 UMass Lowell-Portugal – Knowledge and innovation for a sustainable economy across the Atlantic’, e que prevê a criação de três programas de cooperação entre a Universidade de Massachusetts, nos EUA, e várias instituições de investigação e universidades portuguesas, com destaque para a Universidade dos Açores.

Durante este evento serão assinados vários memorandos de entendimento, envolvendo o Governo dos Açores, através do Fundo Regional para a Ciência e Tecnologia (FRCT), a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a Universidade de Massachusetts Lowell (UMass Lowell), a Fundação Luso-Americana e o TERINOV – Parque de Ciência e Tecnologia da Ilha Terceira.

Segundo o Secretário Regional, estes memorandos serão “a matriz” onde assentam as parcerias que vão permitir a criação de novos projetos de investigação e a mobilidade de investigadores e estudantes de formação avançada de ambos os lados do Atlântico.

Este novo programa de colaboração entre a UMass Lowel e Portugal, que se assemelha a programas já existentes, como o MIT-Portugal, o Carnegie-Mellon-Portugal ou o UTAustin-Portugal, prevê a criação de três instrumentos, nomeadamente a criação de projetos de base científica e tecnológica partilhados, tendo como epicentro a Universidade dos Açores, a criação de cátedras e ainda um ‘Inovation Hub’, que irá funcionar no TERINOV.

Os projetos de investigação serão financiados pela FCT e por programas operacionais, nomeadamente pelo Compete2020, no caso das instituições do continente português, e pelo Açores2020, no caso da Academia açoriana, e por fundos próprios da UMass Lowell.

Prevê-se a criação de três cátedras ainda durante este ano, que serão sediadas na Universidade dos Açores e orientadas para a transformação digital, a inovação e a sustentabilidade.

As cátedras representam um investimento total de 300 mil euros por parte do Governo dos Açores, da FLAD e da FCT.

Segundo Gui Menezes, as cátedras são um mecanismo “para a fixação nos Açores de investigadores em várias áreas científicas do interesse da Região”.

Por seu lado, o ‘Inovation Hub’ pretende promover a mobilidade de professores, investigadores e estudantes entre a UMass Lowell e os Açores, e estará sediado no TERINOV.

“Os Açores são um sítio singular para muitas áreas científicas, nomeadamente para o estudo dos oceanos, mas também para as áreas do espaço e da energia”, frisou o titular da pasta da Ciência.

“Devido à nossa dimensão, à nossa dispersão insular e à nossa localização geográfica, devemos ser, e somos, reconhecidos como um pequeno laboratório de teste para várias áreas científicas e isso interessa a muitos grupos de investigação”, afirmou, acrescentando que este é um dos motivos para a implementação do AIR Centre nos Açores.

Gui Menezes referiu que este novo programa “é um contributo que a ciência faz para aproximar os dois lados do Atlântico”, considerando que esta iniciativa poderá trazer mais valias não só do ponto de vista científico, mas também do ponto de vista económico.

O Secretário Regional lembrou a visita realizada em fevereiro à Universidade de Massachusetts Lowell a fim de conhecer algumas áreas de investigação, destacando as áreas comuns, como é o caso do espaço.

“Esta é uma área que tem tido grande crescimento nos Açores e que queremos continuar a reforçar”, afirmou, referindo que a estação RAEGE, em Santa Maria, utiliza uma técnica de observação da Terra que também é utilizada pela UMass Lowell e que interessou a alguns investigadores norte-americanos, por estar “numa localização excelente para determinadas observações”.

Gui Menezes referiu ainda que este workshop se enquadra nos objetivos do AIR Centre, na medida em que se pretende “aproximar grupos de investigação, partilhar infraestruturas e criar parcerias de investigação”.

“Procuramos dinamizar parcerias e proporcionar um momento em que os investigadores se conheçam e formem acordos de parcerias para eventuais projetos e para a busca de financiamento para o desenvolvimento científico”, disse o Secretário Regional.

“O AIR Centre é aproximar o este do oeste, o norte do sul, em áreas como o estudo dos oceanos, da energia, do espaço e das alterações climáticas”, frisou.

Sobre o estudo das alterações climáticas, Gui Menezes referiu que “é uma área muito emergente e um desafio com que a Humanidade se confronta”, defendendo que “só numa escala do Atlântico é que muitos dos desafios da atualidade podem ser estudados”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO