Adeus, meu querido amigo

0
21
TI

Conheci o senhor Mário Frayão quando regressou aos Açores determinado a intervir, cultural e socialmente na ilha onde nascera. Tinha uma visão clara e profunda da importância da cultura enquanto motor de desenvolvimento local. Determinado, estabeleceu contactos, procurou cooperantes; criou a cooperativa cultural e deu corpo ao jornal “Tribuna das Ilhas”, onde será publicado este artigo em sua homenagem.

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO