Ambiente – Município da Horta investe na modernização da recolha seletiva de resíduos

0
18

O concelho da Horta passou a dispor de uma viatura  de recolha de resíduos indiferenciados de 7 metros cúbicos.
Este equipamento resulta de  um investimento de cerca de 90mil euros da autarquia e, para além de reforçar a recolha nos arruamentos mais estreitos, permite também recolher biodegradáveis.

Na passada semana, a Câmara Municipal da Horta (CMH), colocou ao serviço um novo equipamento destinado à recolha de resíduos no concelho.
Trata-se de uma viatura nova de 7 metros cúbicos, com múltiplas potencialidades e com capacidade, inclusive, para recolher biodegradáveis. Num investimento de cerca de 90 mil euros, a vitaura vem reforçar a recolha de resíduos indiferenciados, principalmente nos arruamentos mais estreitos, assim como complementar a recolha seletiva.
Segundo José Leonardo Silva, o investimento no setor dos resíduos “não deverá ficar por aqui”, pois sendo um setor “estruturante para a autarquia, o objetivo é tirar partido dos fundos comunitários disponíveis, através do PO2020, e adquirir, a breve trecho, uma nova viatura de 12 metros, que permitirá contribuir para modernizar a frota existente, naquele que será um investimento global na ordem dos 150 mil euros”.
“Tratam-se de investimentos fundamentais para a melhoria das condições de salubridade da nossa ilha, que já é boa, mas ainda mais valorizado numa altura de combate e prevenção à COVID-19”, reforçou o Presidente do executivo camarário.
Uma nota do Gabinete de Apoio à Presidência, avança, que na ocasião da entrada em funcionamento deste equipamento, José Leonardo Silva lembrou que, nesta fase de pandemia, “foram alterados os circuitos e metodologias de recolha de resíduos, bem como a periodicidade de desinfeção de equipamentos”.
A afirmou ainda o autarca, que “numa altura em que o recomendado é ficar em casa, há profissões que não podem parar, até porque em causa está a saúde e o bem estar das pessoas”, reforçando que “a recolha de resíduos é fundamental até porque em causa estão questões higiénico-sanitárias e o nosso pessoal tem feito esse trabalho com muito empenho”.
Citando o presidente da CMH, a mesma fonte adianta que, momento toda a recolha de resíduos no concelho da Horta é feita com “uma atenção redobrada”, nomeadamente no que às condições de segurança diz respeito.
“Foram criados 4 novos circuitos de recolha, cada uma das viaturas está equipada com kits de desinfeção e fizemos uma maior sensibilização para que os nossos colaboradores cumpram todas as indicações. Aumentámos a frequência de higienização das viaturas de recolha, dos contentores indiferenciados e dos ecopontos, dando especial atenção aos locais de contacto com os utilizadores, nomeadamente a pegas e tampas, recorrendo, para o efeito, ao uso de desinfetantes”, revelou José Leonardo Silva.
Na ocasião, o edil apelou ainda a que os Munícipes tenham um cuidado redobrado na hora de acondicionar e depositar, nos respetivos contentores, os resíduos produzidos e que evitem depositar monstros, uma vez que essa recolha se encontre suspensa, reservando, para mais tarde, a devida entrega.

Autarquia reforça funcionamento da rede de abastecimento de água do concelho
Ainda no decorrer da passada semana, a autarquia concluiu também o investimento na primeira caixa de decantação, que vai permitir captar e tratar água proveniente de nascente e desta forma garantir o funcionamento da rede sem constrangimentos.
Este investimento tem por objetivo reforçar o abastecimento de água às populações, numa altura em que “as famílias são desafiadas a permanecer em casa mais tempo e se verifica um aumento no consumo de água, na rede de abastecimento público do concelho”.
Segundo a CMH “a realização desta obra permite uma melhor monitorização da qualidade da água das nascentes do grupo do Lopo, situadas na freguesia da Praia do Almoxarife, das nascentes do grupo Alto do Chão, Alto do Inverno e Castelhano, que se situam nas freguesias dos Cedros e do Salão, que depois é canalizada para o reservatório da Rua Nova, na freguesia dos Flamengos, onde é tratada e inserida na rede”.
Para José Leonardo Silva, “a Câmara Municipal tem tido uma grande preocupação com a qualidade da água que distribui pela população, por isso reforçou as equipas afetas ao setor do abastecimento público de água e introduziu, nas rotinas daqueles trabalhadores, as vistorias, duas vezes ao dia, aos reservatórios”.
Esta caixa de decantação tem capacidade para debitar 35 metros cúbicos por hora, e resulta de um investimento que representou cerca de 50 mil euros.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO