APADIF comemorou no Teatro Faialense o seu 24.º aniversário

0
232
TI

TI

O Teatro Faialense foi o palco para a Associação de Pais e Amigos dos Deficientes da Ilha do Faial (APADIF) comemorar no passado dia 10 de novembro o seu vigésimo quarto aniversário, com espetáculos de dança e de teatro, e prestando homenagem a funcionários e cidadãos relevantes para a Associação

No Teatro Faialense, a Associação de Pais e Amigos dos Deficientes da Ilha do Faial (APADIF) comemorou no passado dia 10 de novembro o seu vigésimo quarto aniversário, com a atuação de diversos grupos de dança e de teatro em que os artistas principais foram os utentes das diferentes valências da Associação e que animaram o público que encheu por completo o recinto.
Logo após as muitas atuações da noite, a Direção da APADIF homenageou dois funcionários que completaram 10 anos ao serviço da Insti-tuição, bem como diversos cidadãos pelo reconhecimento do trabalho desenvolvido, de forma gratuita, em prol dos utentes da APADIF.
Após terem sido prestadas as devidas homenagens, tomou da palavra o Presidente da Direção da APADIF, José Alberto Fialho, que, no momento em que se comemora este 24.º aniversário, referiu que “não tem sido tarefa fácil chegar aqui, é com muito trabalho e persistência que vamos conseguindo alcançar alguns dos objectivos a que nos propusemos”.
“O ATL inclusivo das Angústias tornou-se uma realidade em 2017 onde o trabalho assenta na inclusão, mas acima de tudo aceitação da diferença. Uma valência possível graças a uma parceria com o Centro Paroquial das Angústias com um papel importantíssimo do Padre Paulo Silva”, frisou o Presidente da APADIF.
Referiu José Fialho que a “aquisição da carrinha adaptada é hoje uma realidade, num investimento que rondou os cinquenta mil euros”. As parcerias com as escolas, juntas de freguesia, com as Casas do Povo têm sido uma mais-valia da APADIF para mostrar que a inclusão deverá ser uma realidade e que esse trabalho e essa motivação têm que ser de todos e de cada um de nós”.
Para o Presidente da Direção da APADIF, foi “devido a estas parcerias que conseguimos trazer ao Faial a equipa de basquetebol da Associa-ção Portuguesa de Deficientes, Delegação de Braga, que desenvolveu um trabalho de sensibilização nas escolas e na comunidade em geral, deixando a mensagem de que nada é impossível”. É necessário que a deficiência deixe de estar escondida, pois cada um de nós é agente da mudança e a inclusão só passará a fazer parte do nosso quotidiano quando enraizada e promovida por todos.
Segundo Fialho “ainda há muito a fazer nesta ilha e a APADIF quer contribuir para que se faça mais para a ilha e para as pessoas desta ilha”.
Destacou, ainda, o facto, de pretender alargar a oferta aos idosos, construindo na Conceição um centro de noite, de se necessitar de mais um CAO para a ilha, com a Associação a exigir essa valência pois tem provas dadas na área da deficiência.
Neste aniversário, lançou um desafio para a criação de um Conselho Consultivo para a Defi-ciência e Inclusão em que estariam integradas as forças vivas da nossa sociedade, à semelhança do que acontece em Portugal continental, com o objectivo de promover e valorizar a cidadania e a participação das pessoas com deficiência e as suas organizações.
O sistema de atribuição de produtos de apoio na Região Autónoma dos Açores (SAPA), que se destina a pessoas com deficiência e aquelas que por uma incapacidade temporária necessitem de produtos de apoio, foi criado em agosto de 2015. Constitui seu objectivo a realização de uma política global, integrada e transversal de suporte às pessoas com deficiência de forma a compensar e atenuar as limitações da atividade e restrições da participação decorrente de uma deficiência.
Para o Presidente da APADIF, “ao contrário do que acontece no Continente Português em que a atribuição de produtos é feito de forma gratuita, este sistema na RAA define que a atribuição destes produtos é feito de uma forma universal e tendencialmente gratuita, o que discrimina os açorianos e enferma de muitas dificuldades no seu processo de atribuição, concluiu.
De seguida, nesta cerimónia usou da palavra a vereadora do Município Ester Pereira que destacou o trabalho da APADIF ao longo dos vinte e quatro anos de vida em “áreas sensíveis como a inclusão da pessoa com deficiência, para a infância, para a juventude e para o bem-estar da pessoa idosa”.
“ A APADIF tem sido uma parceira fundamental da autarquia no objetivo de promover e desenvolver projetos e trabalhos de mérito que contribuem para o desenvolvimento social e comunitário dos seus utentes e da população em geral”, destacou a vereadora.
Para a responsável, a autarquia tem o dever de, em conjunto com as instituições do concelho, estar à altura dos desafios para permitir o reforço das parcerias, para que se encontrem soluções para quem mais precisa e em que a celebração dos diversos protocolos entre o Município e a APADIF mostram a importância que é reconhecida a esta Instituição.
Para o Diretor Regional dos Assuntos do Mar, Filipe Porteiro, em representação do Presidente do Governo Regional, a APADIF “tem um papel fulcral na ilha do Faial através da sua ação para a integração e inclusão social”.
“Todos nascemos com os mesmos direitos, as crianças, os adultos, independentemente da sua etnia, religião, origem social, têm direitos consagrados, por isso é fundamental que uma criança, um jovem ou adulto com necessidades especiais usufrua de respostas sociais que levem à sua inserção na sociedade como membros de facto e de direito”, destacou na sua intervenção Filipe Porteiro.
O Diretor Regional mostra-se rendido ao trabalho desenvolvido pela APADIF ao longo dos vinte e quatro anos de vida em prol da integração da pessoa com necessidades especiais. Por isso, refere, o “Governo Regional dos Açores tem apoiado de forma substancial a APADIF nas suas diversas valências, como o serviço de reabilitação, o banco de ajudas técnicas, o Centro de Desenvolvimento e Inclusão Juvenil ou o Centro de actividades de tempos livres”.
Porteiro salientou ainda a capacidade da APADIF de fazer parcerias estratégicas para alcançar os seus objectivos, percebendo que a cooperação institucional é fundamental para a resolução com sucesso de problemas complexos como a inclusão e a integração social. Aqui destacou o projeto relacionado com o mar a iniciativa “Vela para Todos, Faial sem limites”, que resultou de uma parceria entre a APADIF e o Clube Naval da Horta e que permite o acesso a um desporto a quem de outra forma o não poderia fazer.
Merece, ainda, referência a distribuição da revista VOZES, na sua 11.ª edição, que mostra a actividade desenvolvida pela APADIF ao longo de todo o ano, a opinião de técnicos e utentes e ainda dos parceiros desta Associação. Por último, com todos os participantes neste espectáculo no palco, foi cantado o hino da APADIF.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!