Atlânticoline – Passageiros reclamam mais informação sobre os navios nos horários das viagens marítimas no Triângulo

0
70
DR

DR

A ausência de referência ao navio responsável por cada viagem nos horários da Atlânticoline transtorna os passageiros que pretendem transportar viaturas. Ao Tribuna das Ilhas, a empresa explica que existem outros meios de verificação desta informação, mas compromete-se a rever a apresentação gráfica dos horários.

Na sequência do acidente, em janeiro último, que retirou o ferry “Mestre Simão” da operação regular da Atlânticoline, S.A., o número de viagens que permitem o transporte de viaturas no Triângulo diminuiu. Na sequência desta nova realidade, alguns passageiros queixaram-se ao Tribuna das Ilhas sobre a ausência da informação, nos horários da empresa, sobre os navios responsáveis por cada viagem, de modo a que possam verificar quando podem transportar as suas viaturas entre Faial, Pico, e São Jorge.
Contactada por este semanário, a transportadora esclarece que “nos modelos de horário da Atlânticoline, a indicação do navio a realizar cada viagem estava plasmada apenas nos horários de apresentação diária”, que consistem no horário da linha Amarela e da linha Verde para a época alta”, salientando a este respeito que “não se verificou qualquer alteração na forma de apresentação dos horários este ano, em relação a anos anteriores”, pelo que o procedimento está relacionado “única e exclusivamente com a apresentação gráfica do horário”.
“Quando se procedeu ao ajustamento da operação em função da menor disponibilidade de viagens de ferry, foi emitido um comunicado a dar conta das viagens a operar com os ‘Cruzeiros’ e das viagens a operar com o ‘Gilberto Mariano’”, acrescenta a empresa, lembrando que “essa informação está, também, plasmada no sistema de vendas e de reservas online”, onde qualquer cliente que simule ou execute uma reserva consegue perceber se a viagem que pretende é ou não realizada pelo ferry. De acordo com a Atlânticoline, “o mesmo acontece, naturalmente, com qualquer cliente que se dirija à bilheteira para adquirir os bilhetes”.
A transportadora lembra também que “a grande maioria dos passageiros que pretende transportar viatura adquire o bilhete com antecedência”, padrão de consumo percetível desde a entrada em funcionamento dos ferries. A este respeito, a Atlânticoline refere que nunca recebeu, por parte dos passageiros, queixas relativamente à ausência da referência, no horário, ao navio responsável por cada viagem.
Todavia, a empresa reconheceu, ao Tribuna das ilhas, a pertinência da queixa destes passageiros, tendo garantido a este jornal que irá “rever a apresentação gráfica de todos os horários divulgados, de forma a integrar em todos eles esta informação adicional”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO