Autarquia apoia trabalho da APADIF junto dos jovens

0
5

A Câmara Municipal da Horta assinou na passada sexta-feira um protocolo de cooperação com a Associação de Pais e Amigos da Ilha do Faial (APADIF). Com este protocolo, o município irá apoiar em cerca de 7900 euros o novo projecto desta Associação, direccionado aos jovens mais vulneráveis ao risco de exclusão social, ao abandono escolar precoce e aos comportamentos desviantes

Neste sentido, a APADIF propôs-se a constituir o Centro de Desenvolvimento e Inclusão Juvenil Activar, que surge como uma fusão de dois projectos anteriores daquela Associação também direccionados aos jovens: o Veredas e o Trilhos Saudáveis.

Segundo Marta Faria, psicóloga da APADIF ligada a este projecto, este Centro “surge como resposta a jovens entre os 15 e 18 anos, em situação de risco de exclusão social, abandono escolar precoce, abandono familiar, sem as habilitações literárias necessárias, com comportamentos desviantes e no cumprimento de medidas de promoção e protecção”. O trabalho desenvolvido com estes jovens visa promover a sua inclusão, acompanhar a sua actividade escolar e promover hábitos de vida saudáveis, prevenindo as dependências de álcool e droga.

Marta considera que “este protocolo de cooperação acaba por formalizar todo um trabalho que tem sido desenvolvido entre a CMH e a APADIF, em prol da promoção da igualdade de oportunidades para todos e do combate à discriminação e exclusão social de públicos desfavorecidos”.

Para além deste projecto, Marta Faria é a coordenadora do Plano Municipal de Prevenção das Toxicodependências da Horta, outra frente onde a CMH une esforços com a APADIF. Nas palavras da psicóloga, este plano “visa contribuir para o desenvolvimento de uma comunidade faialense mais informada e consciente sobre o fenómeno da toxicodependência, bem como estimular a aquisição de hábitos de vida saudáveis”.

Com esse objectivo, o Plano Municipal de Prevenção das Toxicodependências prevê várias actividades, com destaque para uma campanha de prevenção das dependências e comportamentos de risco, por parte dos jovens do CDIJ Activar, durante a Semana do Mar.

Para além disso, está prevista a implementação de um programa de prevenção primária junto de uma turma do 1.º Ciclo da Escola do Pasteleiro, a realização de sessões de (in)formação/esclarecimento, em todas as freguesia do Faial, sobre o mau uso e o abuso de substâncias psicoactivas, aulas de Hip Hop, formação em cinema e implementação do Programa de Fortalecimento de Famílias, junto de famílias desestruturadas, entre outras.

Marta explica que o modelo de acção deste plano municipal obedece a uma lógica das parcerias, “rentabilizando e mobilizando recursos e respostas ajustadas às necessidades locais detectadas”.

Na assinatura do Protocolo, José Fialho, presidente da APADIF, disse que este novo projecto se afigura como mais um “desafio” para esta associação que, de resto, tem o seu carimbo bem presente no trabalho desenvolvido no Faial com jovens em situação de risco. Frisando que, nesta área, os resultados só aparecem depois de muito tempo de trabalho árduo, José Fialho prometeu empenho da parte da APADIF neste novo projecto.

Autarquia quer contribuir para evitar comportamentos de risco na SM       

Salientando o trabalho desenvolvido pela APADIF ao longo dos últimos anos, o presidente da CMH reconheceu que os apoios autárquicos, apesar de significativos no âmbito do orçamento municipal, são escassos face à dimensão do desafio. João Castro explica que o trabalho em rede com várias instituições, como a APADIF, é a estratégia adoptada pela autarquia para responder às necessidades dos jovens faialenses.

Segundo o autarca, a CMH pretende contribuir para que os jovens evitem os comportamentos de risco. Nesse sentido, providenciou que, durante a Semana do Mar, as tasquinhas e os restaurantes estejam impedidos de vender bebidas alcoólicas a preço inferior à água.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO