Bloco quer aumentar transferências para as IPSS para garantir aumento de salários aos trabalhadores

0
17
DR/BE
DR/BE

António Lima acusa o Governo Regional de bloquear os aumentos de salários dos trabalhadores das IPSS, que recebem menos que os seus colegas que fazem o mesmo trabalho na função pública. O Bloco insiste na necessidade de se rever o modelo de financiamento das IPSS para aumentar as transferências da Região, de modo a permitir o aumento de salários dos seus trabalhadores.

“O Governo diz que os salários dos trabalhadores das IPSS depende apenas da negociação entre os sindicatos e os empregadores, mas isso não é verdade, porque quem financia as instituições é a Região, e se o Governo não garantir as verbas necessárias às instituições para pagar salários e para rever carreiras, não é possível que os sindicatos e as instituições cheguem a entendimento”, explicou António Lima, candidato do Bloco ao parlamento dos Açores.

No âmbito de uma visita ao colégio “O Baloiço”, do Centro Infantil de Angra do Heroísmo, António Lima destacou o papel fundamental dos trabalhadores das IPSS na resposta social às famílias, “principalmente em tempo de pandemia”, e disse que “a quem presta um trabalho que é essencial, a quem garante que em plena pandemia os idosos estão protegidos, não podemos pagar apenas o salário mínimo”.

O aumento das transferências da Região para as IPSS, irá permitir também que estas instituições possam celebrar contratos de trabalho, em vez de ter que recorrer a programas ocupacionais, “que é muitas vezes a única solução que lhes é apresentada pelo Governo”.

Alexandra Manes, candidata do Bloco na Terceira, alertou que estão em causa milhares de trabalhadores de creches, jardins-de-infância, ATL e lares de idosos, e defende que “estas pessoas têm que ser mais valorizadas quer ao nível das carreiras, quer ao nível dos salários”.

A candidata lembra que o Bloco de Esquerda tem apresentados nos últimos anos, no parlamento dos açores, uma proposta para a revisão do modelo de financiamento das IPSS, para que seja “mais justo, mais equitativo e que permita às instituições aumentar os salários dos trabalhadores”, mas a proposta tem sido sempre rejeitada pelo PS.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO