Bolieiro destaca compromisso de Luís Filipe Pimentel na defesa do Corvo

0
8
DR/PSD
DR/PSD

O candidato do PSD/Açores a Presidente do Governo destacou hoje o compromisso da candidatura de Luís Filipe Pimentel na defesa dos interesses do Corvo, alegando que o cabeça-de-lista do partido pela ilha tem como “prioridade” trabalhar em prol dos corvinos.

“O Luís Filipe Pimentel é o candidato que representa o Corvo e os corvinos, pois tem como prioridade a exigência de um compromisso com a sua ilha: olhar pelos interesses dos corvinos e da ilha Corvo”, afirmou José Manuel Bolieiro, em declarações aos jornalistas, durante uma ação de campanha na ilha do Corvo.

O líder social-democrata salientou que o compromisso de defender os interesses da população do Corvo se integra no projeto político do PSD/Açores, que passa por “não deixar nenhuma ilha para trás”.

“Assumi com o Luís Filipe Pimentel um compromisso de defendermos sempre a ilha do Corvo. Enquanto candidato a Presidente do Governo tenho uma missão para os Açores, mas também um compromisso com cada ilha”, disse.

Para José Manuel Bolieiro, com um deputado do PSD/Açores eleito pela ilha, “o Corvo não será uma ilha satélite, mas sim uma ilha que vale por si própria”.

“O Corvo terá prioridade no projeto político do PSD. Sei que o Luís Filipe Pimentel será um bom representante do Corvo na Assembleia Legislativa dos Açores. Um corvino na defesa dos corvinos”, sublinhou.

O líder social-democrata referiu também que o projeto político do PSD/Açores assenta numa “estratégia de coesão”, em que “nenhuma ilha pode ficar para trás”.

“É preciso garantir uma unidade dos Açores, com o valor de cada uma das ilhas. Queremos garantir que numa estratégia global para os Açores se incluam todas as ilhas”, disse.

José Manuel Bolieiro aproveitou ainda a ocasião para deixar uma mensagem a todos os eleitores açorianos, incluindo os que “não costuma ter voto fixo e decidem de acordo com os candidatos e as propostas”.

“Podem estar tranquilos. O PSD representa uma mudança serena. Vamos manter o que está bem e corrigir, com uma política reformista, aquilo que está mal. Será uma mudança para melhor”, concluiu.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO