Câmara da Horta atribui 20 bolsas a estudantes do ensino superior

0
13

Na tarde de ontem, no Salão Nobre da Câmara Municipal da Horta (CMH), a autarquia procedeu à assinatura dos contratos-programa que regulam a atribuição de bolsas de estudo a jovens faialenses a frequentar o ensino superior. No presente ano lectivo foram atribuídas 20 bolsas, num valor global de 33.440 euros.

Este apoio é atribuído de acordo com os rendimentos do agregado familiar e corresponde a 10 prestações mensais. Este ano, dos jovens beneficiários, entre os 18 e os 25 anos, 12 usufruem desta bolsa pela primeira vez. Como explicou, na ocasião, o presidente da CMH, João Castro, a autarquia dá prioridade, sempre que possível, aos estudantes que já tenham sido beneficiários da bolsa em anos anteriores, como forma de contribuir para que os mesmos não abandonem o seu percurso académico.

Apesar do ano lectivo já ir a meio, só agora foram atribuídas as bolsas aos estudantes. O presidente da CMH justifica o atraso na formalização dos contratos pelo “regulamento minucioso” a que o processo tem de obedecer.

No presente ano lectivo candidataram-se às bolsas 47 estudantes, número ligeiramente superior ao ano anterior. Os alunos contemplados com este apoio frequentam o ensino superior nas mais diversas áreas, como é o caso da Informática, da Saúde, das Ciências Sociais, do Desporto e do Património Cultural, entre outras.

O acompanhamento de todo o processo que regula a atribuição destes apoios está a cargo do Serviço de Acção Social, tutelado pela vice-presidência do município. Os estudantes estão obrigados, entre outras coisas, a apresentar um certificado comprovativo do seu aproveitamento escolar para poderem usufruir da bolsa.

De acordo com João Castro, a atribuição destas bolsas visa, sobretudo, reconhecer o esforço das famílias em manter estes jovens a frequentar o ensino superior, principalmente numa altura de crise como a actual. Frisando que se trata “de um pequeno contributo” do município para a educação de alguns “filhos da terra”, o edil fez votos de que os bolseiros tenham “bons estudos”, e de que o seu esforço faça deles “pessoas mais bem preparadas e em melhores condições de enfrentar a situação difícil” que actualmente se atravessa.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO