Câmara de Lisboa vai construir 500 casas para Renda Acessível em Entrecampos

0
6
Cerca de 500 casas para o Programa Renda Acessível da Câmara de Lisboa vão ser construídas na zona de Entrecampos, num projeto que inclui novos equipamentos e mais estacionamento na Avenida das Forças Armadas, anunciou hoje a autarquia.Em comunicado do gabinete do vereador responsável pelo pelouro do Planeamento e do Urbanismo, Ricardo Veludo, é referido que já foram aprovadas em reunião do executivo municipal as alterações ao loteamento localizado entre a Avenida das Forças Armadas e a Avenida Álvaro de Pais, que correspondem ao empreendimento “Praça de Entrecampos” e permitirão a construção de cerca de 500 habitações de renda acessível.

As alterações agora introduzidas preveem que, num dos espaços dos lotes municipais, seja instalada uma sala de estudo a funcionar 24 horas por dia.

Além disso, está previsto o acréscimo de, pelo menos, mais 20 lugares de estacionamento à superfície para atuais moradores com dístico da EMEL (Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa), além dos previstos para os novos residentes e empresas.

O projeto prevê também uma área de jardim de “utilização coletiva”.

O loteamento, é referido na nota, é composto por 10 lotes: dois já construídos, dois que não sofreram alterações e seis “que foram agora objeto de alteração e aprovação, dos quais cinco são municipais para integração no Programa de Renda Acessível e um é privado.

“Trata-se do início da concretização de uma grande obra pública de habitação para a classe média e para os jovens de Lisboa, a ser desenvolvida pela empresa municipal SRU [Sociedade de Reabilitação Urbana] Lisboa, cuja construção deverá ter início ainda em 2020 após a realização dos respetivos concursos públicos internacionais”, salienta Ricardo Veludo (Cidadãos por Lisboa, eleito na lista do PS), citado no comunicado.

O primeiro concurso de casas de renda acessível em Lisboa teve 3.170 candidaturas e o sorteio desta primeira bolsa de 120 habitações realizou-se na semana passada.

Os candidatos que não foram contemplados com nenhuma das 120 casas do primeiro concurso mantêm a inscrição do Programa de Renda Acessível e serão notificados da abertura de novas ‘bolsas’ de habitações. A autarquia pretende lançar mais concursos ainda este ano.

Para o primeiro concurso do Programa de Renda Acessível, a Câmara de Lisboa recuperou 120 habitações em diversos pontos da cidade, com tipologias T0 a T4.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO