Candidatos do Bloco querem transportes gratuitos no Faial

0
74

Os candidatos do Bloco de Esquerda às eleições autárquicas percorreram esta manhã duas linhas do minibus de uma ponta à outra da cidade. O partido defende transportes públicos gratuitos para combater desigualdades, descongestionar o trânsito e promover a sustentabilidade ambiental.

O objetivo do Bloco é fazer com que o transporte público possa ser a primeira solução para cada vez mais pessoas. Aurora Ribeiro, candidata à câmara municipal afirma que “é importante que os faialenses conheçam bem e possam contar, sempre que necessitem, com um meio de transporte para a maioria das deslocações que têm de fazer ao longo do dia, o que neste momento não acontece. Muitas pessoas não sabem os horários nem conhecem os percursos”. Para além dos bilhetes gratuitos, o partido traz medidas para simplificar a comunicação e a utilização destes meios. Para a cidade, o partido quer uma linha única, circular, demarcada no pavimento, onde o passageiro possa embarcar e desembarcar em qualquer ponto do seu percurso.

Por outro lado, as ligações existentes dão sinal de insuficiência, pois na viagem desta manhã foi óbvio para os candidatos que este é um serviço com procura acentuada, sobretudo entre utentes dos serviços de saúde como o hospital e uma peça fundamental para fazer a ligação entre o terminal marítimo e os vários pontos da cidade. No percurso efetuado houve cerca de uma dezena de pessoas que não conseguiram ter lugar no autocarro, sendo assim obrigadas a alterar os seus planos: percorrer o caminho a pé, procurar alternativas de transporte individual ou, eventualmente, desistir de fazer o percurso.

Para Mário Moniz, candidato à assembleia municipal, a aposta crescente nos transportes públicos e o aumento da sua utilização, “é uma perspetiva estratégica de longo prazo, que permitirá melhorar a vida das pessoas e promover a igualdade, enquanto se contribui para resolver de forma gradual a estrangulação da mobilidade na cidade e problemas como o ruído, a poluição, a falta de estacionamento e de espaço para os peões, espaços verdes e de lazer”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO