Carlos Pinto é o cabeça de lista da candidatura do PPM pela ilha de Santa Maria

0
33

O PPM inicia hoje a divulgação dos cabeças de lista do partido pelos diversos círculos eleitorais de ilha. O partido está consciente da enorme exigência das difíceis circunstâncias que os Açores enfrentam na atualidade: crise de saúde pública; falência das contas públicas; uma emergência social sem precedentes, que deixou milhares de açorianos em situações de grande vulnerabilidade; uma grave crise económica e o colapso do sistema autonómico democrático açoriano, que se caracteriza pelo absoluto controlo do poder pelo partido governamental através da apropriação partidária da administração regional e a criação de um sistema de punição e inibição da oposição política democrática.

Nestas circunstâncias, a candidatura do PPM em Santa Maria nasce da vontade que muitos marienses têm de “dar voz” a Santa Maria. Aos seus problemas e aspirações. Da vontade de afirmar uma oposição democrática ativa, que não se silencie por medo, por incapacidade ou simplesmente por negligência. Trata-se de uma candidatura que quer colocar Santa Maria no mapa político dos Açores. Com uma voz forte, prestigiada e interventiva. Com capacidade para colocar a ilha no centro do debate parlamentar nos Açores. A ilha de Santa Maria é hoje a menos discutida no Parlamento dos Açores. Existe um silêncio inexplicável e ensurdecedor em relação a Santa Maria e aos seus problemas. É precisamente essa situação que a candidatura pretende alterar.

A lista do PPM em Santa Maria constitui uma convergência de vontades de gente livre e sem medo. Que quer dar um contributo cívico em circunstâncias muito difíceis. A lista é encabeçada pelo médico Carlos Pinto, atual Delegado de Saúde da ilha de Santa Maria, que tem um percurso de quatro décadas de serviço público na ilha de Santa Maria. Foi também deputado do PS entre 1988 e 1992, quando esse mesmo partido denunciava o monopólio do poder por parte do PSD durante duas décadas, que levou Carlos César a pronunciar a célebre frase: “20 anos de poder ininterrupto é demais em qualquer lugar do mundo, criam-se vícios e clientelas. É preciso mudar”. O Dr. Carlos Pinto regressa agora à atividade política com o mesmo objetivo de 1988: dar voz aos marienses e combater o monopólio do poder por parte de um só partido ao longo de décadas”.

Trata-se de uma candidatura corajosa. Que enfrenta um sistema autoritário que acumulou todos os vícios que Carlos César denunciava na década de 90. Mas é também uma candidatura que assume, sem rodeios, que o seu objetivo é lograr a eleição de deputados por Santa Maria. Que tem apoio popular para lograr esse objetivo. A lista integral será tornada pública na próxima semana. Soma um vasto conjunto de prestigiadas personalidades marienses. É uma lista muito forte. Concebida para tentar ganhar.

Carlos Pinto é, até agora, o único médico – existem outros médicos na sua lista de candidatura – que se encontra num lugar elegível no âmbito das próximas eleições legislativas regionais. O PS não integrou nenhum médico nas suas candidaturas e o PSD também não colocou nenhum clínico em lugar elegível. Em circunstâncias tão particulares como as que os Açores enfrentam é, no mínimo, estranho que o Parlamento não possa contar com o apoio e a colaboração de médicos prestigiados e experientes na formulação e debate das propostas parlamentares e governamentais.

Finalmente, os independentes que integram a candidatura do PPM por Santa Maria reveem-se no trabalho parlamentar realizado pelo deputado Paulo Estêvão. Um trabalho intenso, responsável e sério. É precisamente isso que nos propomos fazer desde o primeiro dia em que assumirmos a responsabilidade de representar os marienses. Para acabar com o marasmo. Para reivindicar o futuro. Para servir os marienses.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO