CHEGA TERCEIRA INDIGNA-SE COM O GOVERNO SOCIALISTA PELA DESCRIMINAÇÃO NEGATIVA ENTRE A MARÍTIMO-TURÍSTICA E OS TOURS TERRESTRES

0
152

Tempos difíceis para o turismo, obrigam-nos a olhar para detalhes do nosso enquadramento jurídico que embora relevantes, neste momento de enorme dificuldade, assumem ainda maior relevância para a sobrevivência das nossas empresas.

Entendeu o governo e bem, conceder às empresas operadoras de atividades marítimo turística, o benefício da redução do imposto sobre o combustível, acedendo assim ao combustível marítimo, bonificado.

Se é verdade que alguns destes operadores operam com embarcações motorizadas, e consomem volumes significativos de gasóleo, outras há que operando veleiros, utilizam quantidades residuais.

No mesmo âmbito, os operadores de passeios turísticos terrestres, ora utilizando transportes coletivos, jipes ou carrinhas, despendem anualmente volumes apreciáveis de gasóleo a custo normal.

Sendo um sector igualmente preponderante para o desenvolvimento das indústrias de exportação, ligadas ao turismo, são vítimas de uma diferenciação negativa absolutamente injusta e discriminatória que em nada contribui para a sua urgente recuperação económica.

O atual enquadramento pandémico resultante da COVID-19 condicionará em muito a sua sobrevivência, havendo o grande potencial de muitas delas não chegarem a 2021.

O CHEGA Açores solicita assim ao governo, urja pela reposição do tratamento igual destas duas áreas que sendo idênticas, complementam a mesma atividade, divergindo somente no meio em que operam.

São iguais e merecedoras do mesmo cuidado e tratamento.

Governar não pode eternamente ser exercido a correr atrás do prejuízo, algo a que esta governação socialista nos habituou.

É urgente que haja uma administração proactiva que prime pela justiça social e pare de navegar à vista, reagindo esporádica e tardiamente, depois do mal feito.

Mais uma vez dizemos: “ou sabem governar, ou deixam que outros governem, correr atrás de prejuízos é prova de falta de competência, não obstante a longa permanência no poder.”

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO