Da amizade

0
3
TI

A amizade é uma virtude necessária à existência humana, já o dizia o filósofo grego, Aristóteles, na sua obra, Ética a Nicómaco. Aí dedica dois livros ao estudo da amizade (philia), declarando que esta tem uma importância marcante na vida humana, seja do ponto de vista existencial, seja do ponto de vista ético, ou do ponto de vista político. Só a amizade é capaz de proporcionar ao homem uma relação verdadeira consigo mesmo, com os outros homens e com a comunidade (polis), à qual pertence – dimensão da participação e da vivência política. Para este pensador, a amizade está no centro do pensamento ético e político e possui uma relação direta com a virtude e com a felicidade. Tal como a virtude, a amizade suscita a solidariedade, a reciprocidade, o reconhecimento do outro e a benevolência, entendendo este conceito como um querer bem ao outro e, ao mesmo tempo, querer o bem do outro. Ora, desejar o bem do outro, quer no plano das relações de amizade individuais quer grupais, gera bem-estar interior e ambientes humanos mais harmoniosos, consequentemente, gera níveis de bem-estar coletivos mais elevados.
Voltando a Aristóteles, é curioso verificar que ele distingue três tipos de amizade: por prazer, por interesse e a amizade verdadeira. Valoriza todas elas. A primeira está relacionada com o convívio entre amigos, necessária à sociabilidade humana. A segunda, com as relações de utilidade e com a satisfação de necessidades, a última, designa-a de amizade verdadeira. Porém, a amizade por prazer muda em função das circunstâncias. A amizade por interesse desaparece quando a função de utilidade que sustenta a relação, desaparece. A amizade verdadeira é desinteressada; é aquela que une os seres humanos a princípios éticos de justiça e solidariedade. É a amizade dos homens bons, que desejam o bem por si mesmos e agem, não em função do prazer nem do interesse, mas do bem comum. Esse tipo de amizade do governante pelos governados, mantém as cidades unidas e cria sociedades justas e níveis de bem-estar elevados.
Atualmente, a psicologia positiva tem aprofundado a categoria de bem-estar, numa perspetiva não normativa, como a aristotélica. A visão dos cientistas sociais, parte do questionamento sobre o que leva as pessoas a avaliar suas vidas – a relação consigo mesmo e com os outros – em termos positivos. Por que razão a autenticidade e a amizade, no plano das relações individuais ou das organizações, são geradoras de Amizade e da Vida Feliz?

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO