Deputados Socialistas congratulam autorização do Ministério das Finanças para financiamento dos cabos submarinos

0
12

A deputada do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República questionou o Ministro das Infraestruturas e Habitação, no âmbito da Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, sobre três das áreas que afetam diretamente o dia a dia dos Açorianos, concretamente o serviço postal prestado pelos CTT; o papel da TAP enquanto dinamizadora da recuperação económica e o futuro das comunicações dos Açores para o exterior.

De acordo com Lara Martinho, e no que diz respeito a este último ponto, nomeadamente a instalação dos novos cabos submarinos que ligam os Açores, a Madeira e o continente, a vice-presidente do GPPS considerou ser este “um investimento estratégico, e um investimento urgente, não só para os Açores, mas para o todo nacional”.

Nesse contexto, a parlamentar congratulou a informação fornecida durante a audição, de que o Ministério das Finanças autorizou o modelo de financiamento dos cabos submarinos, estando assim reunidas as condições para ser aprovado em Conselho de Ministros e ter início, de seguida, o seu processo concursal.

Relativamente aos CTT, a parlamentar sublinhou que “as queixas dos Açorianos continuam a ser uma constante”, situação esta que o próprio Presidente da ANACOM considerou como sendo “particularmente preocupante”.

“Gostaria de reforçar a importância da atual renegociação do contrato de concessão, que cria as condições para se eliminar as constantes queixas que os Açorianos fazem sobre o serviço prestado”, afirmou a deputada socialista questionando ainda Pedro Nuno Santos sobre quais as mediadas que estão a ser adotadas, junto dos CTT, no sentido de se resolver os constrangimentos causados aos cidadãos e empresas dos Açores.

Quanto à TAP, Lara Martinho reforçou a necessidade de esta companhia aérea estar ao serviço de todo o território português, “indo de encontro às necessidades de retoma económica das várias regiões, em particular dos Açores, traduzindo-se, no futuro, num reforço das rotas nacionais para esta região”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO