Dia do Poder Local – Câmara Municipal da Horta abre as portas dos Paços do Concelho

0
9

Ontem, segunda feira, dia 24 de novembro, comemorou-se o Dia do Poder Local e a Câmara Municipal da Horta (CMH) recebeu algumas turmas do 1º, 2º e 3º ciclo, secundário e profissional, para uma visita aos Paços do Concelho, que serviu  também para lançar o projeto “Autarca por um Dia”.

Nesta visita, cerca de 100 alunos visitaram os serviços da autarquia e foi-lhes dado a conhecer o regulamento para o projeto mencionado anteriormente, que implicará a realização de um processo eleitoral “autárquico” nas escolas que se inscreverem, para que posteriormente no ano de 2015 seja promovida uma “reunião de câmara” jovem para apresentação de propostas e questões dirigidas à CMH pelos vencedores dessas eleições, que exercerão a função de vereadores.

Durante esta iniciativa, os estudantes ficaram a conhecer um pouco melhor a cidade da Horta visualizando a sua evolução através de gravuras, visitaram o gabinete do Presidente do Câmara, onde puderam mesmo tirar uma fotografia sentados na sua cadeira e viram uma apresentação acerca do poder local e do projeto “Autarca por um Dia”.

José Leonardo Silva, na sua intervenção para as turmas presentes apelou à participação dos jovens e assegurou que “é importante que sejam pessoas ativas na sociedade onde estão inseridas” e que nem todos precisam de ser engenheiros, mas sim “temos de ser bons naquilo que fazemos, empenharmo-nos e sermos profissionais”, fazendo o amanhã melhor que hoje.

Em declarações ao Tribuna das Ilhas, o Presidente da CMH referiu que o projeto “Autarca por um Dia” “é um projeto que envolve a participação dos nossos jovens, mas uma participação efetiva de propostas que as próprias escolas irão fazer, onde haverá debates e em que essas ideias serão inseridas no Plano e Orçamento do ano de 2016”.

“O Poder Local democrático em Portugal, que tem feito muito pelo desenvolvimento do nosso país, tem sofrido grandes ataques no fundo à sua autonomia. E por isso celebrar o Poder Local é fundamental, para que as pessoas percebam que os governos de proximidade são fundamentais para o nosso desenvolvimento”, salientou José Leonardo.

Como exemplo deste ataque, afirmou “que os municípios no ano de 2013 tiveram um superavit de 188 milhões e o que o governo fez foi ficar com ele e não dividir pelos próprios municípios”, o que considerou ser uma afronta ao Poder Local.

“Temos de estar atentos porque eu penso que esta vivência do Poder Local e a essência da democracia está de facto no Poder Local democrático”, conclui o Presidente da CMH.

Turma do 3º e 4º ano da Escola da Vista Alegre

Turma do 5º ano da Escola Básica 1,2 António José de Ávila

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO