Dia Internacional do Livro Infantil assinalado na CISA

0
5

Para assinalar o Dia Internacional do Livro Infantil 2014, a Casa de Infância de Santo António – CISA – desenvolveu uma Troca de Livros no âmbito do seu projeto “Era uma vez”, coordenado pela educadora Ana Rita Pinheiro.

 Tribuna das Ilhas esteve na CISA a acompanhar esta atividade que teve dois objetivos fundamentais, conforme nos explicou Ana Catarina Goulart, educadora e coordenadora pedagógica da instituição.

“O primero objetivo desta atividade passou por fomentar o gosto pela leitura nos mais pequenos. Um segundo propósito desta iniciativa é motivar as crianças para a partilha” – explica Ana Catarina.

A responsável disse ainda que “a educadora Ana Rita Pinheiro propôs, a quando o início do seu estágio, implementar um projeto denominado “Era uma Vez”. Nesse âmbito, de 15 em 15 dias têm sido desenvolvida atividades para tentar atingir esses objetivos”.

“Sendo o “Era uma vez” um projeto dedicado aos livros, era importante marcar o Dia Internacional do Livro Infantil, pelo que aproveitámos ainda para impulsionar o sentimento de partilha que muitas vezes não é incutido nas crianças como deve ser e, nos tempos que correm cada vez mais se verifica essa carência” – adianta Ana Rita Pinheiro.

Promover uma troca de livros foi a solução encontrada, então, desde há três semanas a esta parte que foram colocadas caixas para depósito dos livros fora de cada uma das salas. Nessas caixas deveriam ser colocados os livros que os meninos trariam de casa. O livro deveria ser adequado à faixa etária e estar em boas condições físicas.

“Hoje, ouvimos uma história infantil, “O Incrível Rapaz que Comia Livros”, explorámos a importância dos livros, o que é a biblioteca na sala de aula, como se devem tratar os livros e também o significado dos livros para cada uma das crianças – que é algo muito subjetivo mas que foram capazes de expressar” – , relata a educadora Ana Rita Pinheiro.

Os pais são uma peça fundamental para que projetos desta natureza ganhem “pernas para andar”. A este respeito as educadoras são unânimes em afirmar que “a aceitação dos pais a estas iniciativas é positiva, foram raros os pais que se esqueceram do livro ou que não os trouxeram nas devidas condições.”

 

PROJETO “ERA UMA VEZ”

A impulsionadora deste projeto conta ao Tribuna das Ilhas que “o “Era uma vez” tem como objetivo promover uma estratégia de ensino denominada de Story Telling em que as crianças aprendem depois de ouvirem uma história”.

“Esta atividade é dividida em três partes: há um momento de pré-leitura, em que é dada uma pista às crianças para elas descobrirem o conteúdo do livro. Segue-se um momento de leitura do livro em si e, numa última instância, o momento de pós-leitura interpretativa e pós-leitura com atividade, sendo que essas atividades são sempre relacionadas com o livro, com a história, com a temática e tentam sempre abranger todas as áreas de conteúdos elencadas nas orientações curriculares da educação para a leitura” – explica pormenorizadamente Ana Rita Pinheiro.

Este projeto desenvolve-se nas salas de jardim-de-infância, ou seja, dos três aos cinco anos.

A recetividade dos alunos a este projeto tem sido muito boa e, de acordo com a educadora Ana Rita, “as crianças participam sempre com muito entusiasmo e é verificável durate a semana as aprendizagens que eles fazem ao longo da história, ou seja, aquela atividade não culmina no final da minha hora em que estou com eles, consigo verificar através de conversas e comentários que, após essas atividades eles são capazes de contextualizar as aprendizagens noutros contextos e noutros sítios”.

No final do ano letivo Ana Rita Pinheiro vai desenvolver um inquérito envolvendo as educadoras cooperantes de cada sala, às crianças e aos pais, para analisar qual o feedback a esta iniciativa.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO