Emissão filatélica “Os Aviões que os Açores conheceram” lançada na Horta

0
9

Numa iniciativa dos CTT, foi apresentado, na passada semana no Terminal de Passageiros da Horta, a emissão filatélica “Os Aviões que os Açores conheceram”. 

Com design da autoria de Francisco Galamba, esta emissão mostra um pouco do início da história da aviação nos Açores, e o papel relevante que o arquipélago assumiu na aeronáutica nacional e mundial, e inclui ainda, a representação dos hidroaviões Boeing 314, da Pan American Airways, celebrizados com o nome “Clippers”, que eram presença regular na baía da Horta durante a década de 30 do século passado.

Neste contexto, foram lançados quatro selos e dois blocos filatélicos, onde estão representados os primeiros aviões a aterrar nos Açores. Nos selos estão desempenhados “Boeing 314 – Clipper”, primeiro avião a aterrar na Horta, o “Douglas C-47”, da empresa SATA, com uma maior capacidade de carga e passageiros, o “ Lockheed Constellation”, que deu início às escalas na Base Área de Santa Maria, e o “Hawker Siddeley HS-748 «Avro»”, também da SATA, com maior rapidez e teve um papel fundamental na modernização da empresa.

Vítor Fraga, Secretário Regional de Turismo, presente na cerimónia, defendeu que esta emissão representa uma mais-valia, para a Horta e para o arquipélago, “não só nesta perspetiva de preservação do nosso passado, mas também como um importante elemento de divulgação da Região, fomentando um novo caminho que visa a criação de uma rota de turismo cultural”, referiu.

No entender de Vítor Fraga, esta rota terá a Horta no centro e “contribuirá certamente para atenuar um dos fatores que caracteriza o setor do turismo na Região, que é a sazonalidade”. Por outro lado, o secretário, considerou indispensável preservar a memória dos feitos aeronáuticos pioneiros que tiveram lugar nos Açores, cuja posição geostratégica permitiu um lugar de destaque no estabelecimento do transporte aéreo global. “É hoje fundamental, para a história do nosso tempo, podermos ter presentes estes vários momentos da nossa história açoriana. Somos herdeiros destes feitos inéditos, originais e autênticos”, destacou.

 Para Vítor Fraga os selos agora lançados representam a “tenacidade de homens e mulheres que, ao longo dos anos, empenharam as suas ideias, criatividade e espírito de iniciativa para ultrapassar barreiras, criar e preservar empresas, conhecer e divulgar mundos, heranças e boas memórias”, defendeu.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO