Enchente nas angústias para receber a Coligação PSD/CDS-PP

0
22
DR

O pavilhão das Angústias foi insuficiente para receber as cerca de oitocentas pessoas que vieram apoiar a Coligação Acreditar no Faial, liderada por Carlos Ferreira e Teresa Faria Ribeiro.
 

Junto ao Pavilhão das Angústias foi necessário montar uma enorme tenda para acolher parte dos cerca de oitocentos apoiantes de Carlos Ferreira, candidato da Coligação Acreditar no Faial à Câmara Municipal da Horta que se deslocaram na noite de terça-feira aquela freguesia para mais um comício autárquico.

Para o candidato à Presidência do Municipio colocou-se à disposição dos Faialenses neste projeto, porque não podia ficar impávido a ver o Faial ficar para trás e “compactuar com o esvaziamento do Faial por parte do Governo Regional e com o silêncio cúmplice da Câmara Municipal”.

Carlos Ferreira “exige oportunidades iguais para todos” pois é inaceitável que “o Partido Socialista do Faial utilize os recursos da Câmara Municipal, do Governo Regional e das suas Juntas de Freguesia para comprar votos com baldes de tinta e sacos de cimento”.

“Chegou a hora de os Faialenses deixarem de prestar vassalagem à meia dúzia de famílias da elite socialista que governa esta ilha há 30 anos”, disse o candidato.

Referindo-se a projetos que pretende implementar caso seja eleito Presidente da Câmara, o candidato apresentou propostas na área social, como a criação de umare de de centros de dia e de noite de proximidade e pequena dimensão para os mais idosos, uma rede concelhia de creches e ATLs, reforçar o valor disponível para o Fundo de Emergência Social, para apoiar as famílias que mais precisam e devolver até 5% do IRS às famílias, para aumentar o rendimento dos munícipes e dinamizar a nossa economia.

Para promover a criação de emprego, Carlos Ferreira garante que com ele a Câmara Municipal deixará de ser um obstáculo a quem quer criar emprego e a quem quer investir. Na área da juventude, realizará anualmente a “Semana da Juventude, com uma componente festiva, mas sobretudo com uma forte componente de orientação vocacional e de apoio técnico aos jovens que pretendem investir e abrir os seus próprios negócios”.

Num discurso bastante aplaudido, Carlos Ferreira apelou ao voto para mudar o Faial, pois “nesta candidatura estamos por convicção”.

Concluiu o seu discurso salientando aos presentes que é a oportunidade “de mostrarmos que quem manda no Faial não é Carlos César, não é Vasco Cordeiro, nem é Sérgio Ávila, quem manda no Faial são os faialenses”.

Discursou, ainda, Teresa Faria Ribeiro, candidata a Presidente da Assembleia Municipal da Horta, destacando, em primeiro lugar, o trabalho de José Bagaço e da sua equipa “um homem das Angústias, um homem que Acredita na sua Freguesia”.

Convicta de que o projeto Acreditar no Faial sairá vencedor das eleições do dia 01 de outubro, Teresa Ribeiro elogiou o candidato Carlos Ferreira “que não virou as costas aos seus conterrâneos e nunca se escondeu quando todos os outros não deram a cara em defesa do Faial”.

De seguida, mostrou aos presentes as muitas promessas do manifesto eleitoral do PS de há quatro anos que não foram cumpridas, como a implementação do Plano de Ordenamento Viário e estacionamento da Cidade da Horta, a implementação de medidas de discriminação positiva para a fixação de jovens no centro histórico ou diligenciar junto do Governo Regional dos Açores a ampliação da pista do Aeroporto da Horta, a recuperação das Termas do Varadouro, a 2ª fase da Estrada Regional Variante à Cidade da Horta ou a criação do Centro Museológico dos Cabos Submarinos.

De acordo com Teresa Ribeiro, “a voz que defende o nosso futuro coletivo, não pode continuar a falar baixinho e a acomodar-se ao poder em vez de reivindicar o que é nosso por direito, pois o PS prometeu, mas deixou muito por fazer nos últimos 28 anos na CMH”.

Já antes tinha usado da palavra José Bagaço, candidato à Junta de Freguesia das Angústias que agradeceu a toda a sua equipa “o trabalho, esforço e dedicação que tiveram em preparar esta festa e a que têm tido ao longo de toda a campanha eleitoral”.

Para José Bagaço, a sua candidatura é feita para as pessoas e com as pessoas, “não luto contra ninguém, mas a favor da minha freguesia e pretendo trabalhar com a oposição caso seja eleito Presidente da Junta de Freguesia”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO