Euro2020: Seferovic relança Suíça, Rodrigo qualifica Espanha

0
1
DR
Um golo do ex-benfiquista Rodrigo, nos descontos, permitiu hoje à Espanha empatar na Suécia e qualificar-se para o Europeu de futebol de 2020, do qual a Suíça se aproximou com a ajuda de um tento da ‘águia’ Seferovic.Em Solna, os campeões de 1964, 2008 e 2012 só precisavam de um ponto para ‘selarem’ a 11.ª presença na fase final, que já haviam falhado no sábado na Noruega, onde precisavam de vencer e empataram, e estiveram quase a desperdiçar o segundo ‘match point’.

Os escandinavos, necessitados de vencer para reforçar o segundo lugar, adiantaram-se já na segunda parte, aos 50 minutos, por Marcus Berg, e lideraram até aos 90+2, quando Rodrigo, após um canto, desviou vitoriosamente um remate de Fabian Ruiz.

Com este resultado, a Espanha garantiu o apuramento, a duas jornadas do fim, já que passou a somar 20 pontos, contra 15 da Suécia e 14 da Roménia, que perdeu uma oportunidade de ‘ouro’ para subir ao segundo posto, ao empatar 1-1 na receção à Noruega.

Depois de George Puscas falhar um penálti, aos 52 minutos, os romenos adiantaram-se, aos 62, por Ionut Mitrita, mas também cederam aos 90+2, quando Alexander Sorloth marcou e manteve os noruegueses (quartos, com 11 pontos) matematicamente na corrida.

Na próxima ronda, em 15 de novembro, a Roménia recebe a Suécia e pode saltar para o segundo posto, que, quatro dias depois, ainda teria de defender em Espanha, num dia em que os suecos têm um jogo muito fácil, na receção às Ilhas Faroé.

A formação de Torshavn não é, ainda assim, a última classificada do agrupamento, já que hoje somou os primeiros pontos face a Malta, ao vencer a agora lanterna-vermelha por 1-0, graças a um tento de Rogvi Baldvinsson, aos 71 minutos.

No grupo D, a Suíça conseguiu uma ‘obrigatória’ vitória, por 2-0, na receção à República da Irlanda, que se qualificava com um triunfo, empurrada pela inspiração de Haris Seferovic.

Eleito recentemente o jogador helvético do ano, o avançado do Benfica inaugurou o marcador logo aos 16 minutos, com um remate rasteiro e colocado à entrada da área, que entrou junto ao poste esquerdo de um impotente Darren Randolph.

Na segunda parte, Seamus Coleman cometeu um penálti, aos 76 minutos, e foi expulso, mas Ricardo Rodríguez desperdiçou o castigo máximo, mantendo a emoção no jogo até aos 90+3, altura em que Shane Duffy apontou o segundo, na própria baliza.

Apesar do triunfo, os helvéticos continuam no terceiro posto, mas agora apenas a um ponto da Dinamarca, segunda, e da líder Irlanda, que tem mais um encontro disputado.

Em novembro, a Suíça tem tudo à sua mercê para ‘carimbar’ o apuramento, já que recebe a Geórgia (em 15) e joga fora com Gibraltar (em 18), enquanto a Dinamarca recebe Gibraltar (15) e, depois, deverá discutir a segunda vaga na Irlanda (18).

No outro encontro do agrupamento, Gibraltar ameaçou pontuar pela primeira vez numa qualificação para Mundiais ou Europeus, ao 26.º jogo, mas, depois de recuperar de 0-2 para 2-2, perdeu com um tento de Giorgi Kvitaia, aos 84 minutos.

Giorgi Kharaishvili, aos 10 minutos, e Jaba Kanvala, aos 21, apontaram os outros tentos dos forasteiros, que vão disputar os ‘play-offs’, enquanto Lee Casciaro, aos 66, e Roy Chipolina, aos 74, apontaram os primeiros golos de Gibraltar no grupo.

No grupo J, a já apurada Itália manteve o trajeto 100% vitorioso, ao golear fora o Liechtenstein por 5-0, num embate em que Andrea Belotti ‘bisou’, e a Finlândia aproximou-se do seu primeiro Europeu, ao bater em casa a Arménia por 3-0.

Fredrik Jensen (31 minutos) e Teemu Pukki (61 e 88) marcaram os tentos dos nórdicos, que, a duas jornadas do fim, são segundos do agrupamento, com mais cinco pontos do que a Arménia e a Bósnia-Herzegovina, batida por 2-1 na Grécia, num embate decidido por um autogolo de Adnan Kovacevic, aos 88 minutos.

Os finlandeses apenas precisam de vencer em casa o Liechtenstein, em 15 de novembro. Três dias volvidos, fecham a fase de apuramento no reduto da já ‘arrumada’ Grécia.

No outro encontro do dia, do grupo G, Israel manteve-se ‘viva’, em termos matemáticos, ao vencer em casa a Letónia por 3-1, num embate que Eran Zahavi apontou o seu 11.º golo na qualificação – marcou em sete dos oito jogos, só ‘falhando’ na Polónia (0-4).

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO