Festival de cinema “CineEco” regressa à Ilha Azul

0
16
blank
cineEco

Mariana Rovoredo

De 9 de junho a 21 de julho o Museu da Fábrica da Baleia de Porto Pim será a residência do “CineEco”, inserido no âmbito do 27.º Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela. Os Açores começaram a acolher este festival em 2013, que é o único em Portugal dedicado à temática ambiental. Surgiu em Seia, em 1995, por iniciativa daquele município.

O evento conta com sessões de cinema de filmes provenientes de várias nacionalidades sobre questões ambientais premiados na 27.ª edição do CineEco, que decorreu em Seia em outubro do ano passado. Todas as sessões iniciam-se pelas 21h30 e são de entrada livre.
Para Catarina Fazenda, designer de comunicação do Observatório do Mar dos Açores (OMA) a importância deste tipo de atividades recai sobre a aliança entre a questão cultural do cinema e a questão ambiental, que é um dos focos da associação: a promoção de atividades de interpretação e educação ambiental, no âmbito das Ciências do Mar.
A primeira exibição deu-se a 9 de junho com a curta-metragem de Marina Lobo “#Fishingtheplastic”, que aborda o problema do lixo marinho, e o documentário sueco “Ostrov”, que mostra a vida de uma comunidade que recorre à pesca furtiva para sobreviver.

A próxima sessão será quinta-feira, 23 de junho, com o documentário francês “Ophir”. Esta longa-metragem toma o (des)colonialismo como foco, para depois abordar outras problemáticas atuais.

A sete de julho será exibida a curta-metragem espanhola de animação “Flight to Earth”, que retrata um planeta Terra inabitável no século 23. Ainda nesse dia, “Living Water” mostra a vida de nómadas jordanos no deserto, dependentes de uma infraestrutura de água.

No dia 21 de julho, a Fábrica da Baleia terminará o festival com duas curta-metragens de animação “Acorns” e “Migrants”, e por fim o documentário de Sandra Cóias e Pedro Rego “O Lado Negro do Azeite”, que aborda os problemas territoriais e ambientais da vasta produção de azeitona no Alentejo.

O Festival percorrerá seis ilhas açorianas. A extensão do evento já passou pela Terceira e São Jorge, chega agora ao Faial e vai viajar ainda para São Miguel, Santa Maria e Corvo.