Flávio Silva apresenta “A Besta” no Faial

0
14

Depois de vencer, em 2011, a segunda edição do concurso LABJOVEM, na categoria de Literatura, o faialense Flávio Silva lançou na noite da passada quarta-feira, no Bar do Teatro Faialense, a obra A Besta, que surge assim como a terceira publicação da Colecção LABJOVEM.

O livro, editado pela Direcção Regional da Cultura, conta a história de Amadeu Pamplona, “um traficante de ouro cujo negócio se encontra em fase de declínio. Para recuperar a fortuna de outros tempos, engenha um plano insólito que vai desafiar os costumes populares e lançar a sua família para um futuro incerto”. A história de Amadeu Pamplona cruza-se com a própria história dos Açores, com a evocação da Batalha da Salga, na Terceira, e até com a história de Portugal, com as referências ao rei D. Sebastião.

De acordo com Victor Rui Dores, a quem coube a apresentação da obra, A Besta é “uma narrativa bem carpinteirada” que contribui para “a revitalização da história local”. Destacando a “estória coesa e consistente” que o autor urdiu, Rui Dores chamou a atenção para a boa utilização da linguagem arcaica, que, entende, revela um “grande trabalho de pesquisa”. 

Foi com os olhos postos em Marco Silva, cineasta irmão do autor, que Victor Rui Dores chamou a atenção para o “potencial cinematográfico” de A Besta, rematando a sua análise à obra com a frase: “Temos escritor!”.

Flávio, que assina Fraga da Silva, tem 29 anos a reside actualmente na China, onde está a concluir a licenciatura em mandarim pela Nanjing University. Referindo-se ao escritor como parte de uma geração “para a qual a globalização não tem segredos”, Rui Dores reflectiu sobre o papel dos Açores para os jovens açorianos que andam por outras paragens e que, como Flávio, encontram na sua terra de origem “um espaço de reflexão e criatividade”

O concurso LABJOVEM é promovido pela Associação Cultural Burra de Milho e pretende ser uma “plataforma para novos criadores nos Açores, alicerçada em dois vectores: a produção e a difusão vocacionada para a contemporaneidade”. Nesta iniciativa a Associação conta com a colaboração da Direcção Regional da Cultura, representada no lançamento do livro de Flávio Silva pelo director regional. Jorge Bruno destacou este concurso como um bom exemplo de sinergia entre cultura e juventude (tendo em conta que a Direcção Regional da Juventude é também parceira da Burra da Milho neste projecto). 

Para o director regional, esta é uma oportunidade para apoiar “os jovens emergentes” no domínio da criação literária, que têm aqui uma forma de verem as suas obras publicadas.

Para além de Flávio Silva, também outros faialenses estiveram em destaque na edição de 2011 do Labjovem. No domínio das artes cénicas, Lia Goulart venceu o concurso com o trabalho “A Volta ao Corpo Humano em 40 minutos” e na categoria Ilustração e BD Marco Silva foi o terceiro seleccionado com a banda desenhada “O Aquário”. Quanto aos projectos de vídeo, Luís Bicudo foi o vencedor com o filme “A Banana do Pico”. 

Mostra Labjovem no Faial

O périplo das obras em exibição na Mostra Labjovem, nas áreas de Arquitectura, Design de Moda, Design Gráfico, Fotografia, Ilustração e BD e Vídeo, chegou esta semana ao Faial. A Mostra estará patente ao público faialense na Biblioteca Pública e Arquivo Regional João José da Graça.

 

 

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO