Fraga discorda da proposta comunista de aquisição de barco para ligações São Miguel-Santa Maria

0
13

O secretário regional do Turismo e Transporte considera a proposta do PCP/Açores que pressupõe que o Governo regional adquira um navio de transporte de passageiros e carga, que una durante todo o ano as duas ilhas do grupo Oriental, não é sustentável

Para o governante a proposta  é “avulsa” e “desenquadrada da política de transportes” que vem sendo tomada no arquipélago pelo executivo e é para ser mantida, acrescentando que esta padece “de falta de informações sobre como funcionaria”.

 “Em termos da política de transportes marítimos para a região, esta proposta não se enquadra com as opções políticas do Governo, que passam por ter uma política de transporte marítimo global, para toda a região, que integre todas as ilhas e que satisfaça as necessidades dessas mesmas ilhas”, sublinhou o titular da pasta dos Transportes.

Atualmente a resposta às especificidades das ilhas do Triângulo , Faial, Pico e São Jorge, é “dada pelo transporte marítimo que já existe”. Para as restantes ilhas, Fraga crê importa existir uma resposta integrada, “que satisfaça as necessidades de todas as ilhas e não situações avulsas e pontuais, como esta que o PCP está a apresentar”.

Quanto à falta de explicações concretas de como seria aplicada a medida defendida pelos comunistas, apresentada pela segunda vez durante esta legislatura, o corvino dá como exemplo a inexistência de dados sobre a tipologia, capacidade de carga, lugares ou preço da embarcação tida por necessária.

 No entender do governante “não se percebe bem o que é que o PCP pretende”. “A      quilo que se depreende é que pretende ter um barco em exclusivo para fazer as ligações em Ponta Delgada e Santa Maria, o que certamente em termos de racionalidade económica não faz qualquer tipo de sentido”, afirmou Fraga.

As declarações de Vítor Fraga prestadas aos jornalistas após a sua audição na Comissão de Economia da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, dia 8 de junho, em Ponta Delgada.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO