Francisco César destaca resultados alcançados nos setores da saúde e das acessibilidades

0
14
DR

O Presidente do Grupo Parlamentar do PS/Açores, Francisco César, destacou os resultados positivos que têm sido alcançados nos setores da saúde e das acessibilidades áreas e marítimas: “uma ilha hoje não pode viver sem boas acessibilidades, foi esse sempre o nosso compromisso. Nós assinalamos o trabalho que tem sido feito a nível dos transportes marítimos, mas assinalamos também o trabalho que está a ser feito pela SATA a nível da operação interilhas”.

Francisco César falava no terceiro dia das Jornadas Parlamentares que o PS/Açores está a realizar na Ilha do Pico, onde 94% dos compromissos assumidos já foram concretizados. “Mas não foi só para ver o que foi feito que cá viemos. Foi sobretudo para constatar o que ainda há para fazer. Uma maioria que está na Assembleia e que está no Governo não pode ser uma maioria fechada, tem que ser uma maioria de diálogo, com capacidade de percecionar a realidade, de ver quais são os desafios que se colocam às ilhas (…) e preparar, sobretudo, o futuro”.

No âmbito da visita realizada ao Porto de São Roque do Pico, onde vai ser construído o novo terminal de passageiros e intervencionado o porto comercial, “um investimento que orgulha o Partido Socialista”, Francisco César sublinhou que a “complexidade” da obra exige mais tempo do que outras intervenções: “Esta é uma das obras mais complexas que o País já alguma vez fez, ou irá fazer, em termos da sua profundidade, em termos da sua exposição, por isso é que a Portos dos Açores referiu aqui, como tem dito nos últimos tempos, que há um trabalho técnico a fazer, inclusive em modelo reduzido”.

Em relação ao setor da Saúde, “que é uma bandeira do Partido Socialista, é uma prioridade do Partido Socialista”, o líder da bancada socialista considera que “está a melhorar e que está a crescer”, mas que ainda há trabalho a fazer, quer na deslocação de utentes, mas também na deslocação de especialistas. “Desta forma, temos um melhor Serviço Regional de Saúde para as nossas populações, as nossas populações ficam satisfeitas e têm aquilo que é seu por direito, uma saúde que é tendencialmente gratuita e que é acima de tudo universal nos seus cuidados”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO