Francisco César eleito para o Conselho Superior de Defesa Nacional

0
18
blank

Francisco César, deputado do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República, foi eleito para o Conselho Superior de Defesa Nacional​​​, órgão consultivo para assuntos relativos à defesa nacional e à organização, funcionamento e disciplina das Forças Armadas, com 172 votos a favor, 47 brancos e 7 nulos, num universo de 226 votantes.

Para o socialista, cujo nome foi indicado pela bancada do Grupo Parlamentar do PS, esta é uma eleição na qual se compromete, enquanto deputado e representante da cada da Democracia, “em dar o meu melhor, numa missão que muito me honrará desempenhar com zelo e finco”.

De recordar que durante a audição aos candidatos a membros do Conselho Superior de Defesa Nacional, Francisco César defendeu a importância de se atualizar o conceito estratégico de Defesa Nacional, para fazer face aos novos desafios que Portugal, a Europa e o mundo atravessam.

Agora, e com a eleição para este órgão, que reúne a cada três meses, ou extraordinariamente sempre que for convocado pelo Presidente da República, por sua iniciativa ou a pedido do Primeiro-Ministro, o vice-presidente do GPPS destacou ser “com humildade e grande sentido de responsabilidade que assumirei funções”, agradecendo, inclusive, “a confiança também demonstrada pelos deputados dos diversos partidos”.

O Conselho Superior de Defesa Nacional é composto pelos seguintes membros:
Primeiro-Ministro; Vice-Primeiro-Ministro e Ministros de Estado, se os houver; Ministro da Defesa Nacional, Ministro dos Negócios Estrangeiros, Ministro da Administração Interna e Ministro das Finanças; Ministros responsáveis pelas áreas da indústria, energia, transportes e comunicações; Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas; Representantes da República para as Regiões Autónomas; Presidentes dos governos das Regiões Autónomas; Presidente da Comissão de Defesa Nacional da Assembleia da República; Chefes do Estado-
Maior da Armada, do Exército e da Força Aérea e dois Deputados à Assembleia da República.