Governo dos Açores cria grupo de trabalho para elaborar Plano de Desenvolvimento das Pastagens e Forragens Sustentáveis

0
10
DR

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas anunciou a constituição de um grupo de trabalho para elaborar um plano de desenvolvimento, com medidas concretas, tendo em vista a sustentabilidade futura das pastagens e das forragens nos Açores.

“Esta é mais uma medida estratégica do Governo dos Açores para promover um desenvolvimento sustentável do setor agrícola, contribuir para a redução de custos de produção e para a melhoria do rendimento dos agricultores”, afirmou João Ponte.

O titular da pasta da Agricultura salientou que “mais de 70% dos custos numa exploração estão relacionados com a alimentação dos animais, daí que a permanente valorização das pastagens e o reforço do conhecimento sobre as mesmas são aspetos indispensáveis para se aumentar a qualidade das produções e a rentabilidade das explorações”.

O governante adiantou que integram este grupo de trabalho representantes dos Serviços de Desenvolvimento Agrário de São Miguel e da Terceira, da Associação Agrícola de São Miguel, da BEL, do Laboratório Regional da Sanidade Vegetal, da Direção Regional da Agricultura, da Associação de Jovens Agricultores Terceirenses e da Universidade dos Açores.

Para João Ponte, a aposta na melhoria das pastagens é um desafio permanente, contribuindo para a otimização do sistema de produção de leite açoriano, melhorando a sua qualidade, a eficiência e sustentabilidade das explorações, para além de ajudar a redução da pegada carbónica.

“Pensar nos Açores é pensar em paisagens verdejantes, logo em pastagens saudáveis e manadas de vacas a comer erva fresca ao ar livre 365 dias por ano”, disse João Ponte, frisando que “as pastagens ocupam mais de 90% da superfície agrícola útil na Região”.

O Secretário Regional considerou ainda que a produção de pastagens e forragens em modo biológico, para além de favorecer práticas agrícolas mais amigas do ambiente, possibilita a oferta de novos produtos agrícolas e agroalimentares com origem no modo de produção biológica, promovendo a competitividade e rentabilidade das explorações e das indústrias.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO