Governo dos Açores implementa projeto piloto para estimular reconversão e reestruturação das vinhas na ilha de Santa Maria

0
19
DR

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas, João Ponte afirmou que o Governo dos Açores está a implementar um projeto piloto para estimular a reconversão e a reestruturação das vinhas na ilha de Santa Maria, através do estudo da adaptação de castas tradicionais nobres, como o Verdelho, o Arinto dos Açores e o Terrantez do Pico.

“O que se pretende é estudar a adaptação de três castas brancas tradicionais nas baias de São Lourenço e Maia, onde há tradição histórica de produção de vinho, para que os viticultores apostem na reconversão e na restruturação das vinhas, através de castas com vocação para a produção futura de vinhos de maior qualidade e com capacidade para serem certificados”, referiu João Ponte.

O governante adiantou o Serviço de Desenvolvimento Agrário da ilha de Santa Maria já procedeu à limpeza de algumas parcelas de terreno, recolheu amostras do solo para análise, procedeu a algum nivelamento dos terrenos e recuperou alguns muros de pedra no baia de São Lourenço.

“Ao longo do próximo ano está previsto avançar com as primeiras plantações das castas tradicionais, fertilização dos terrenos, realizar tratamentos fitossanitários e manter as áreas limpas de infestantes”, revelou João Ponte, acrescentando que as três castas tradicionais serão distribuídas por diferentes cotas de altitude para estudar o comportamento vegetativo e a produtivo das mesmas.

Além dos ensaios de adaptação de castas tradicionais, João Ponte destacou que está em curso na ilha de Santa Maria uma formação em vitivinicultura, composta por 3 módulos e que envolve 30 formandos, de várias idades.

De acordo com o levantamento de propriedade já efetuado pelo Serviço de Desenvolvimento Agrário da ilha de Santa Maria foram identificados nas baias de São Lourenço e da Maia um total de 2.726 currais de vinha, ocupando uma área total de 31 hectares, que são propriedade de 210 vitivinicultores.

“O Governo Regional está a fazer o que lhe compete para estimular o desenvolvimento da vitivinicultura numa ilha com grande potencial para a produção de vinho, mas é importante que os proprietários dos terrenos entendam a riqueza que têm entre mãos e recorram aos apoios existentes para recuperar as suas parcelas de terreno”, salientou o governante.

João Ponte indicou que está a decorrer o período de candidaturas ao novo aviso do programa VITIS, num valor de 4 milhões de euros, cujas alterações introduzidas visam, por exemplo, dar uma resposta cabal às particularidades das vinhas na Maia e em São Lourenço, na ilha de Santa Maria, plantadas em terrenos em socalcos e com áreas pequenas.

João Ponte destacou que o VITIS tem sido um “instrumento essencial” para a reabilitação e reconversão das vinhas, desde logo na ilha do Pico, possibilitando uma “enorme revolução” com benefícios diretos para os vitivinicultores e para a economia local.

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou, ainda, que o Governo dos Açores tem vindo a fazer um trabalho de maior proximidade junto dos proprietários dos terrenos, designadamente na ilha de Santa Maria, apostando na divulgação do programa VITIS, bem como disponibilizando apoio técnico do Serviço de Desenvolvimento Agrário da ilha de Santa Maria para a elaboração das respetivas candidaturas por parte dos vitivinicultores.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO