Governo dos Açores realiza dois novos cursos de Guias de Parque Natural para profissionais de informação turística

0
49

A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo adiantou hoje que a Direção Regional do Ambiente vai realizar dois novos cursos de Guias de Parque Natural, dirigidos, preferencialmente, a profissionais de informação turística.

 

Os cursos terão lugar na ilha de São Miguel, entre 2 de novembro e 7 de dezembro, em horário pós-laboral e com um limite de 20 vagas para cada curso.

 

“O principal objetivo é o de valorizar o conhecimento das áreas protegidas e os serviços prestados por estes profissionais, que conduzem grupos de visitantes a essas zonas, e melhorar a qualificação dos recursos humanos ao serviço do turismo ativo da Região, potenciando o desenvolvimento de um turismo de natureza sustentável”, frisou Marta Guerreiro.

 

Estes cursos, com a duração de 117 horas, são homologados pela Direção Regional de Emprego e Qualificação Profissional, abrangendo vertentes como comunicação, técnicas de socorrismo e resgate, conhecimentos sobre património natural e histórico-cultural, noções de turismo e orientação no terreno.

 

“Nos últimos quatro anos organizámos 19 cursos de Guias de Parques Naturais em todas as ilhas, que abrangeram 347 formandos”, salientou a Secretária Regional.

 

Marta Guerreiro falava, em Ponta Delgada, na sessão de abertura da formação ‘Avifauna e observação de aves para guias de informação turística’, mais uma ação promovida pelo Governo dos Açores com o objetivo de reforçar o “conhecimento sobre a biodiversidade e a preservação do património natural”.

 

“O nosso objetivo é que iniciativas como esta permitam que o trabalho seja desenvolvido em proximidade com a comunidade, para que, em conjunto, possamos manter uma política que contribua para que os Açores sejam cada vez mais reconhecidos pelo seu elevado nível de qualidade ambiental e pelo potencial dos seus recursos”, realçou.

 

Para a Secretária Regional, esta formação permite dotar os participantes “do conhecimento e das ferramentas necessárias para o desempenho das atividades, transmitindo aos turistas informações sobre o património natural dos Açores e as especificidades e singularidades da observação de aves”.

 

“Com este tipo de iniciativas, pretendemos contribuir para fortalecer um dos nossos objetivos estratégicos – exatamente a qualificação do destino – através da formação e da disponibilização de técnicos habilitados a desenvolver a atividade de animação turística de observação de aves”, sublinhou.

 

Na ocasião, Marta Guerreiro salientou que os Açores “devem posicionar-se, cada vez mais, como um palco para este tipo de produto turístico”, o Birdwatching, principalmente pela sua “situação geográfica, a meio caminho entre a América e a Europa, que faz com que a Região seja o primeiro ponto de paragem de diversas aves nos seus fluxos migratórios entre os continentes e, como tal, um local privilegiado para os primeiros avistamentos”.

 

“Associado a este facto, temos a riqueza da avifauna e a singularidade e a beleza das nossas paisagens, que são condições ímpares para o desenvolvimento de iniciativas e de operações turísticas que podem oferecer programas com mais este produto de natureza”, frisou a Secretária Regional.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO