Grupo Musical “Tributo” apresenta o seu quarto CD de originais

0
90
DR/CMV
DR/CMV

Por: Câmara Municipal das Velas (CMV)

O Grupo Musical Jorgense “Tributo” apresentou esta quinta-feira, dia 4 de Janeiro, à comunicação social, o seu mais recente trabalho discográfico. Intitula-se “Tributo em Nós” e é o quarto CD de originais deste grupo da Ilha de São Jorge.

A Casa Museu Cunha da Silveira, na Vila de Velas, foi o palco para a apresentação de mais este trabalho, que começou a ser gravado em estúdio no início de 2020, mas só agora foi possível o seu lançamento, devido à pandemia, por via do Coronavírus, Covid-19 e que adiou as gravações do mesmo.

Entre a saudade e a despedida, as tradições e cultura, as dez faixas que compõem este CD são um tributo ao Povo Jorgense, em particular, e aos Açoreanos, em geral.

Falando na apresentação de mais este trabalho discográfico, o Presidente do Município de Velas, Luís Silveira, deixou uma palavra de agradecimento ao Grupo Tributo, por apresentar o que considerou ser mais “um excelente trabalho musical”, e reforçou que o Município só poderia apoiar mais esta iniciativa, por tudo o que o Grupo tem dado à Ilha, assim como pelo seu percurso em mais de vinte anos, perpetuando no tempo a Cultura e a História.

Luis Silveira destacou a “riqueza” deste trabalho discográfico, quer na letra quer na sonoridade, valorizando aquilo que é a Nossa História, Cultura e Tradições, não esquecendo os que partiram e que têm a sua Terra no coração, no caso em apreço, os Emigrantes, salientando o facto de o Grupo ser reconhecido como dos melhores, sendo que, se atreve mesmo a dizer já fazem parte da Joia da Coroa da Ilha, pelo seu percurso, dedicação, trabalho e perseverança.

Outro facto enaltecido por Luis Silveira, foi o local escolhido para a apresentação, a Casa Museu Cunha da Silveira, o que, no seu entender, não poderia ser melhor, sendo que este espaço tem como tema “O Mar e a Terra, a sustentabilidade de um povo”, “e este tem tudo a ver com a Nossa História, com o Povo da Nossa  Terra e com aquilo que são as Nossas Tradições, um espaço que tem o mesmo objetivo que as músicas deste trabalho, ou seja perpetuar nas gerações vindouras, estas tradições de um Povo com mais de 500 anos de História”.

Coube, entretanto, ao membro do grupo Duarte Silveira, a apresentação deste quarto CD de originais, cuja gravação decorreu nos estúdios “Pé de Vento” em Salvaterra de Magos, um dos melhores estúdios de Portugal.

O músico lembrou que entre os dez novos temas, alguns já são conhecidos do público, até porque já foram tocados em alguns concertos antes do confinamento, mas que ainda não estavam em disco. Contudo, três temas são estreia em absoluto.

Segundo Duarte Silveira, uma das canções mais icónicas deste CD tem a letra de Maria Dores Beirão “A despedida”. Vítor Rui Dores é autor das letras “Tributo a nós” e “Canto Lavrador”. Os elementos do grupo, Dinis Moreira é autor da música “Velho amigo”, sendo as restantes sete letras e nove músicas da autoria de António Severino.

Este Grupo Jorgense existe há mais de vinte anos, e tem recebido o carinho do Povo Jorgense, Açoreano e dos Nossos Emigrantes na Diáspora, o que deixa satisfação nos seus elementos.

A gravação deste trabalho discográfico foi efetivamente só possível com a colaboração dos dois Municípios da Ilha, facto que foi enaltecido por Duarte Silveira, destacando que o mesmo segue a linha dos restantes três já editados, ou seja, duma maneira muito própria, com a sua criatividade, pelo gosto próprio de espelhar as Tradições e a forma de ser dos Ilhéus Jorgenses e Açoreanos, evocando-as nos mais variados aspetos.

Duarte Silveira destacou igualmente o facto deste CD ser apresentado num local que tem na sua génese “cristalizar” no tempo as Tradições e a História da Ilha, sendo este o objetivo primordial dos Tributo.

De recordar que o Grupo Tributo é composto por Duarte Silveira, António Severino, Manuel Severino, Dinis Moreira, Lina Monteiro e João Enes.

A partir desta sexta-feira, o CD já se encontra à venda na Papelaria Utilnova, na Vila de Velas, em São Jorge.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO